quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

O maior medo do mundo tem cura

Dia 27 de janeiro comemora-se o Dia do Orador.
Há 32 anos o Clube de Oratória e Liderança os vem formando e qualificando-os. Mais de 2600 passaram pelos cursos e a grande maioria ocupa espaços de liderança nos mais diversos segmentos sociais, políticos, religiosos, comunitários, empresariais etc. Alguns inclusive seguiram como professores na área.
Felicito todos que já conseguiram superar esse que é o maior medo da humanidade: falar em público. Enquanto o medo da morte está em sétimo lugar numa tabela de medos até dez, o de falar em público é o primeiro. Portanto, acredite. Quando ouvir alguém dizer que prefere "morrer a ter que falar em público", isso não é retórica!

OS DEZ MAIORES MEDOS   
1) De falar em público;
2) De altura;
3) De insetos e vermes;
4) De problemas financeiros;
5) De águas profundas;
6) De doenças;
7) Da morte;
8) De voar;
9) Da solidão;
10) De cachorro


Acredite se quiser, mas o aceleramento do seu pulso e do seu coração, o suor nas mãos, a garganta seca, as pernas trêmulas, a boca seca, náusea, tonteira, mãos trêmulas, falta de ar, músculos tensos, cordas vocais esticadas e a má sensação em geral acrescentam estímulo a sua palestra. São reações naturais do seu organismo para o enfrentamento do desafio e a conquista da vitória. É uma reação guardada em nossa memória genética desde os tempos das cavernas.

Veja o resultado de outra pesquisa feita pelo jornal inglês Sunday Times com 3 mil americanos. A pergunta era: qual o seu pior medo? As respostas: 
41% disseram que era falar em público;
32% têm mais medo de altura;
22% de insetos;
22% de ter problemas financeiros;
19% de doença;
19% da morte.


Pesquisa realizada com 100 mil australianos mostra que 1/3 dos entrevistados diz preferir a morte a falar em público.

Em março mais um curso está sendo oferecido à comunidade.
Tenho tido o privilégio de contribuir com essa ONG e ajudá-la na qualificação para produzir um dos melhores cursos do país. Pratico e estudo o tema há três décadas. A estreia nesse blog foi com o assunto. A segunda postagem também:

Bons oradores têm os melhores cargos e salários

Escolas de jornalismo não ensinam oratória

Estamos firmando parceria para a realização de um curso de pós-graduação em oratória em parceria com o Ielusc. Trata-se do CEO (Curso de Excelência em Oratória). A decisão foi tomada ano passado em reunião que organizei na minha casa para a diretoria do clube. Até março a viabilização do curso será decidida. Enquanto isso os interessados podem ir se cadastrando para o CEO.
Ao completar 30 anos, produzimos um vídeo comemorativo marcando o lançamento desse projeto.

Se você não tem problemas de inibição, convém lembrar.Toda vez que precisar falar em público procure seguir este roteiro:
 . Prepare o material com antecedência. Os grandes oradores não dispensam a preparação de um discurso
 . Faça um esquema do que vai dizer, em formato de tópicos. Esta é a base indispensável do planejamento 
Ensaie. Ponha-se diante do espelho e com um relógio ao alcance da vista. Fale utilizando-se do roteiro, como se estivesse perante o auditório. À medida que for se sentindo mais firme, diminua o tamanho do roteiro
No dia do discurso, procure manter o espírito descansado e o corpo em boa disposição
. Vista-se adequadamente. Evite o excesso de formalismo no trajar, mas cuide de sua aparência pessoal, de acordo com as circunstâncias. Evite joias, relógios de pulso, anéis, brincos, adornos, cintos chamativos, colares, pulseiras enfim, qualquer objeto que possa tirar a atenção de você
. Procure controlar seu sistema nervoso. O nervosismo só transparece caso você queira. Uma aparência tranqüila inspira confiança. Faça por mantê-la, embora, no interior, você possa estar com medo da plateia
. Fique no centro do palco, ou naquele ponto que a maior parte da plateia faça o menor esforço para vê-lo. Mantenha-se firme e olhe a audiência de frente. Ao falar, olhe nos olhos das pessoas. Nos olhos! 
. Procure não hesitar nas primeiras palavras. Se precisar, decore os primeiros 10 segundos da sua fala (é o único momento que você pode decorar)
. Fale com fluência, ritmo, sem pressa, nem muito devagar. Dê o melhor de si. Um orador não se poupa
Quando acabar de falar, volte para o seu lugar com a mesma atitude confiante com que caminhou para o palco. Se for aplaudido, agradeça com serenidade e, acima de tudo, sinceramente
. Elabore o final. Muitos bons discursos são estragados por um final fraco. O interesse do público esfria, congela-se quando o orador não sabe como terminar, ou termina de qualquer jeito. Todo discurso precisa de um clímax, e você deve prepará-lo com o mesmo cuidado com que procura as primeiras cinco palavras.

Em fevereiro estarei na Escola do Legislativo Joinvilense ministrando um curso para 19 garotos entre nove e onze anos. Os vereadores mirins. Ano passado estive na Escola de Governo de Campinas. Foram dezenas de servidores que atuam ministrando cursos que ajudei a qualificar. O mesmo também já fiz na Escola Legislativa Catarinense. Mas, são as empresas as que mais investem nessa qualificação. Tenho contribuído com muitas Brasil afora.

Oratória não é dom. É técnica. O medo de falar em público se supera com treinamento, se expondo ao desafio. Vencê-lo é uma das conquistas mais transformadoras nas vidas das pessoas. Tenho me deliciado em contribuir com tantos nessa luta.

sábado, 7 de janeiro de 2012

Dicas para ajudar os amigos a viverem melhor


Tenho acompanhado nas redes sociais muita gente reclamando de insônia, ou que o sono chega cedo e depois não volta mais. O fato é que nosso estilo de vida contemporâneo está dessintonizado com o nosso biológico. Por isso tanto estresse e outras doenças (inexplicáveis). Num dos cursos que ministro para a formação de líderes, tenho dois capítulos que reúnem resultados de pesquisadores que recomendo.
Essa foto é só para quebrar um pouco a eventual monotonia do texto. A fiz em 2010, na Vila da Glória, em São Francisco do Sul, SC

O primeiro texto trata justamente de como nosso corpo reage durante as 24 horas do dia. A natureza exerce enorme influência sobre nós, em cada momento do dia, por conta dessas forças (sol, escuridão, mudanças na força da gravidade provocada pela aproximação/afastamento da lua, do sol etc). Se você tentar colocar em prática por alguns poucos dias essas dicas vai sentir grande diferença e maior disposição. Digo isso não como teórico, mas por muitas dessas práticas:

Despertar - Das 7h às 8h - Quem gosta de acordar tarde já começa o dia em desvantagem. A partir das 6h, o corpo produz um hormônio que faz acordar, o cortisol. Entre 7h e 8h, a taxa de cortisol no corpo atinge a concentração máxima. Essa faixa de horário é ideal para acordar com facilidade e com o pé direito. Atenção: Voltar a dormir é um erro; por volta das 9h o corpo começa a produzir endorfinas (analgésicos naturais) que encorajam um sono pesado do qual será difícil sair sem dor de cabeça ou mau-humor.

Prazer – Das 9h às 10h - A hora certa para as folias amorosas, já que a taxa de serotonina (neuro-transmissor ligado ao prazer) está em seu apogeu. O prazer experimentado só será aumentado. Por outro lado, também é a hora de marcar uma consulta ao dentista: as endorfinas, que também estão em alta nesse horário, funcionam como anestésicos naturais.

Trabalho - Das 10 às 12h - O estado de vigilância atinge o seu pico e a memória de curto prazo (que guarda coisas como um número de telefone que olha na lista, é retido por alguns segundos e esquecido na seqüência) está mais ativa. Depois que as endorfinas presentes entre 9hs e 10hs desaparecem, o organismo atinge a sua velocidade ideal. É o momento certo para refletir, discutir idéias e encontrar inspiração.

Descanso - Das 13 às 14 h - A moleza que dá depois do almoço não se deve unicamente á digestão, mas também a uma queda de adrenalina que acelera o ritmo cardíaco. Para retomar a disposição, basta uma sesta de 20 minutos.

Movimento - Das 15 às 16h - A forma física encontra o seu apogeu no meio da tarde, ao mesmo tempo em que a capacidade intelectual diminui. Como não há produção de hormônios específicos nesse horário, os cronobiologistas ainda não encontraram uma explicação para o fato.

Rush - Das 18 às 19h - A partir das 18h, o organismo fica particularmente vulnerável à poluição e ao monóxido de carbono. Convém então limitar o consumo de cigarros e evitar se possível, os engarrafamentos. Também é nesse horário que a atividade intelectual e o estado de vigilância atingem um novo pico - hora  certa de mandar as crianças fazerem a lição de casa, por exemplo.

Pileque - Das 20 às 21h - Se esse horário costuma coincidir com o aperitivo de antes do jantar é bom saber que é também o momento em que as enzimas do fígado estão menos ativas, o que faz com que se fique bêbado bem mais rápido.

Sono - A partir das 20h - A melatonina (hormônio do sono) invade progressivamente o corpo a partir das 18h. Mas é as 20h que aparece o primeiro momento ideal para dormir, sucedido por outros iguais a cada duas horas. Para ajudar a cair no sono, fazer amor é uma excelente idéia: o prazer sexual desencadeia a secreção de endorfinas no cérebro, favorecendo o adormecimento.

Regeneração - Das 21h à 1h - Esta fase do sono é muito importante porque coincide com o pico da produção do hormônio do crescimento, indispensável para a renovação das células e a recuperação física. Esse hormônio permite que os conhecimentos adquiridos na véspera sejam armazenados no cérebro.
Essa também, da Vila da Glória, São Francisco do Sul, SC, em 2010

Para complementar, veja o que recomenda o pensador russo Gurdjieff, criador das 20 regras de vida que foram colocadas em destaque no Instituto Francês de Ansiedade e Stress, em Paris. Dizem os experts em comportamento que, quem já consegue assimilar 10 delas, seguramente aprendeu a viver com qualidade interna. Quantas você já pratica?

1- Faça pausas de 10 minutos a cada 2 horas de trabalho, no máximo. Repita essas pausas na vida diária e pense em você, analisando suas atitudes.
2- Aprenda a dizer NÃO sem se sentir culpado ou achar que magoou. Querer AGRADAR a todos é um desgaste enorme.
3- Planeje seu dia, sim, mas deixe sempre um bom espaço para o improviso, consciente de que nem tudo depende de você.
4- Concentre-se em apenas uma tarefa de cada vez. Por mais ágeis que sejam seus quadros mentais, você se exaure.
5- Esqueça, de uma vez por todas, que você é imprescindível. No trabalho, em casa, no grupo habitual. Por mais que isso lhe desagrade, tudo anda sem sua atuação, a não ser você mesmo.
6- Abra mão de ser o responsável pelo prazer de todos.
7- Peça ajuda sempre que necessário, tendo o bom senso de pedir às pessoas certas.
8- Diferencie problemas reais de problemas imaginários e elimine-os, porque são pura perda de tempo e ocupam um espaço mental precioso para coisas mais importantes.
9- Tente descobrir o prazer de fatos cotidianos como dormir, comer e tomar banho, sem também achar que é o máximo a se conseguir na vida.
10- Evite se envolver na ansiedade e tensão alheias. Espere um pouco e depois retome o diálogo, a ação.
11- Família não é você, está junto de você, compõe o seu mundo, mas não é a sua própria identidade.
12- Entenda que princípios e convicções fechadas podem ser um grande peso, a trava do movimento e da busca.
13- É preciso ter sempre alguém em que se possa confiar e falar abertamente ao menos num raio de 100 quilômetros. Não adianta estar mais longe.
14- Saiba a hora certa de sair de cena, de retirar-se do palco, de deixar a roda. Nunca perca o sentido da importância sutil de uma saída discreta.
15- Não queira saber se falaram mal de você e nem se atormente com esse lixo mental; escute o que falaram bem, com reserva analítica, sem qualquer convencimento.
16- Competir no lazer, no trabalho, na vida a dois, é ótimo... para quem quer ficar esgotado e perder o melhor.
17- A rigidez é boa na pedra, não no ser humano. A ele cabe firmeza.
18- Uma hora de intenso prazer, substitui com folga 3 horas de sono perdido. O prazer recompõe mais que o sono. Logo, não perca uma oportunidade de divertir-se.
19- Não abandone suas três grandes e inabaláveis amigas: a intuição, a inocência e a fé.
20- Entenda de uma vez por todas, definitivamente e consultivamente: você é o que você faz...

Espero que essas dicas possam ajudar você a fazer 2012 um dos melhores anos da sua vida. E que novas portas e janelas se abram para ti...
Mais uma foto de 2010 da Vila da Glória em São Francisco do Sul, SC

quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

As cobras do governo petista de Carlito Merss

Cheguei essa semana a Joinville depois de alguns dias na Europa conciliando viagem de férias e pesquisa ambiental em rio na Alemanha. Ao ler a capa do Jornal Notícias do Dia, da quarta-feira, 04 de janeiro de 2012, eu não tive dúvidas de que estava novamente em Joinville. Mais um crime absurdo está sendo cometido contra o rio Cachoeira.
Empresa terceirizada pela prefeitura de Joinville iniciou em dezembro um dos mais absurdos crimes ambientais contra o rio Cachoeira no centro de Joinville

Ao ler a matéria do ND encontrei algumas pérolas que me embrulharam o estômago muito mais do que a sensação que tive ao descer uma montanha de neve em tobogã numa estação de esqui na Áustria.
A primeira e mais surpreendente afirmação do diretor-executivo da Seinfra, Michel Ubirajara Becker, posso afirmar que é uma falácia para não chamá-lo de mentiroso. Desde 1999 caminho e pedalo às margens do rio Cachoeira no trecho entre o Mercado Público Municipal e a ponte da rua Itaiópolis fotografando, filmando e produzindo reportagens sobre o rio, sua biodiversidade e os crimes ambientais contra ele.
Desde 2005 complemento essa pesquisa navegando desde a Baía Babitonga até o Mercado Público e remo dali até onde hoje estão os "restos mortais" da enganosa estação de tratamento flotflux (só faltava esse governo querer ressuscitar esse engodo também!!!).
Tenho milhares de fotos e centenas de filmagens; também umas dezenas de reportagens publicadas desde então. A partir de agosto de 2008 a ONG ambientalista IVC (Instituto Viva o Cachoeira) ampliou com outras dezenas de voluntários esse acompanhamento sendo que um dos sócios, biólogo, catalogou cientificamente mais de 50 espécies de fauna que vivem no leito e margens do rio Cachoeira. Alguns destes animais foram registrados por outros sócios e simpatizantes do IVC.
Nunca, jamais encontramos cobras ou ninhos de cobras nesse trecho do rio Cachoeira. A teríamos catalogado, com certeza, e publicado no respectivo blog do IVC na internet. A absurda justificativa para o crime ambiental que esse  governo comete contra a tênue vida que o maltratado ecossistema insiste em manter é típica de governantes que acreditam administrar uma sociedade de ignorantes.
O desinformado administrador afirma ainda que este tipo de trabalho que está sendo realizado já o foi diversas vezes praticado e "nunca houve questionamento". Mais uma falácia.
Em 2007 o JOV (Jornal O Vizinho) fez uma reportagem sobre a importância de se preservar e recuperar a mata ciliar do rio Cachoeira no centro de Joinville. 
Em novembro de 2007 a prefeitura fez uma poda ambientalmente adequada dando exemplo de respeito ao meio ambiente e aos desejos da comunidade manifestados em matéria jornalística do JOV (Jornal O Vizinho)

Pior ainda foi ler a afirmação da bióloga e diretora da Fundema (Fundação do Meio Ambiente de Joinville). "Não houve nenhum crime ambiental", afirmou Maria Raquel Migliorini.
Estamos perdidos! Se quem deve fiscalizar afirma que aquilo que está sendo praticado agora não é crime então eu sou obrigado a acreditar que Papai-Noel existe e eu deveria ter procurado melhor o "bom velhinho" no meio daquelas montanhas de neve dos Alpes Austríaco e Alemão e pedido o prêmio da Mega-Sena da Virada de presente de Natal.
Acompanhei e divulguei das mais belas imagens já vistas no rio Cachoeira no centro de Joinville em 2009. Num desses eventos o rio se transformou em maternidade e uma capivara pariu três filhotes no meio de um capinzal às margens do rio bem perto da prefeitura. Tudo registrado e publicado em jornal. Será que a bióloga da Fundema sabe o que os maiores ratos do planeta comem?
Capivara comia capim que existia às margens do rio Cachoeira ao lado da ponte azul. Em 2009 ela pariu três filhotes no meio desse mesmo capim

Li também que no dia 03 de janeiro o pepista Eni Voltolini assumiu a presidência da Fundema. Já mudou tanto assim a Fundema? As margens do Cachoeira estavam tomadas de flora típica da Mata Atlântica. Como não é crime cortar até o talo toda a vegetação que protege o barranco do rio e evita desmoronamento? Que Fundema é essa que não faz a lição básica de casa? Que moral terá essa Fundema em autuar um cidadão que cometa o mesmo crime? Ou ela não vai autuar mais já que este é um ano eleitoral? A afirmação feita pelo novo presidente da Fundema na mesma edição do ND de que "agora é a avaliação final, quando nada pode dar errado" pode ter isso nas entrelinhas?
Essa era a vegetação ciliar (típica de Mata Atlântica) que tinha perto da ponte que liga a rua Dona Francisca com a Max Colin, no início do mês de novembro de 2011

Peixes, garças, biguás, jacarés, colhereiros, tartarugas e outras dezenas de espécies dependem dessa vegetação que a administração petista de Carlito Merss decidiu eliminar para deixar apenas a vegetação exótica, as ficus benjamina, plantas totalmente inadequadas e que deveriam ser substituídas por plantas típicas de rio de mangue, como é o caso do Cachoeira. É a prática atual do governante quilômetros luz distante do discurso do político oposicionista de outrora!!!
Os bandos de garças que promoviam espetáculo no centro da cidade quando vinham se alimentar de peixes que se escondiam no meio da vegetação ciliar do rio Cachoeira agora são coisas do passado

Em novembro de 2011 centenas de garças invadiram o centro de Joinville promovendo um raro espetáculo urbano. A partir de agora não o veremos mais. As capivaras também deverão mudar-se. Muitas aves que tinham ninhos nas pequenas árvores ciliares também são coisas do passado. De um passado que já traz saudades. Ou os "desumanos joinvilenses" preferem a inóspita e desértica margem às flores?
Governo Carlito Merss é contra a biodiversidade às margens do rio Cachoeira...

... a opção é pelo exótico que não abriga ninhos, que produz folhas com alto teor de resina, que não permite o aumento da biodiversidade. Na contra-mão da história, na contra-mão do discurso

Se há tanta cobra assim como afirmou o governante, posso arriscar dizer que elas não estavam às margens do rio. Talvez, num "palácio" bem próximo! Se está  sendo cortada toda a vegetação em razão das "supostas" cobras, poderíamos demolir o referido prédio também?
Não é a primeira vez que as cobras são culpadas por atos criminosos. Os répteis já foram vítimas bíblicas. Adão e Eva devem estar dando gargalhadas com o plágio!
Só para não esquecer que em 2007 a prefeitura era comandada pelo PSDB com Marco Tebaldi. Assim era o tratamento dado ao rio...

segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

Minhas dez postagens mais lidas até dezembro de 2011

Desde que criei esse espaço em 2009, terminei 2011com 85 postagens com temas os mais diversos. Regularmente avalio as estatísticas para conferir como reagem meus leitores aos textos e imagens que publico. Tenho tido surpresas. Essas são as dez mais lidas desde a primeira postagem feita em março de 2009:

05/11/2009
765 Visualizações de página
17/12/2011, 2 comentários
404 Visualizações de página
13/01/2011
339 Visualizações de página
24/11/2009
242 Visualizações de página
13/11/2010
174 Visualizações de página
12/02/2010
164 Visualizações de página
30/11/2011, 1 comentário
160 Visualizações de página
06/01/2011
122 Visualizações de página
10/02/2011, 1 comentário
112 Visualizações de página
07/03/2011
107 Visualizações de página

Dentre as quase dezessete mil visualizações, esse o quadro dos dez países que mais acessaram o meu blog no período:


Brasil
13.429
Estados Unidos
1.837
Alemanha
296
Portugal
247
Rússia
231
Holanda
113
Japão
92
França
84
Reino Unido
38
Canadá
31
Em 2009 foram 11 postagens. No ano seguinte, 24. Cravadas 50 em 2011 não sei quantas serão esse ano. Se a tendência for mantida deve saltar para 100, no mínimo. Acho muito, pois seriam aproximadamente oito postagens ao mês. E também porque quando acesso esse espaço o faço com deleite; e quantidade de postagens não me motivam ao ato, mas o conteúdo do que escrevo, sim.
Essa é a primeira de 2012. Ainda no período de férias.
Até.