segunda-feira, 26 de março de 2018

Movimento ODS da ONU tem novas lideranças em SC

A equipe que foi eleita e tomou posse para a coordenação catarinense do Movimento dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS da ONU) assume com grandes desafios  e dois problemas para resolver.
Equipe de coordenadores para a gestão 2018/2020 do Movimento dos ODS da ONU Santa Catarina foi eleita na tarde de 20 de março de 2018 

Um dos maiores desafios será dar continuidade ao modelo de governança da gestão anterior que transformou Santa Catarina numa referência nacional.
Liderado por Adelita Adiers desde 2016, o Movimento Catarinense colocou seu modelo de governança à disposição do Movimento Nacional que está inoperante e provocou uma enorme desmobilização na maioria dos estados da federação.
Adelita Adiers deixa a Coordenação Geral do Movimento ODS da ONU SC, mas diz que vai continuar apoiando a causa em outras frentes contribuindo com a agenda 2030

Adelita deixa a coordenação, mas não a causa. Uma das frentes que ela pretende se dedicar, a partir de agora, é ao Grupo ODS da Rede Brasil do Pacto Global. "Traremos para o Movimento de SC as ferramentas que lá são implementadas e discutidas, apresentando o Movimento especialmente ao setor empresarial. O que me move é a causa. Me orgulho muito do quanto fizemos nesta gestão. E a renovação é um processo extremamente importante. Darei todo o meu apoio à esta nova equipe que assume hoje".
Katiane Vieira assume comprometida em dar continuidade ao modelo de governança da coordenação anterior

Esta é a composição da nova equipe eleita:
Coordenadora Geral: Katiane Vieira - Instituto Nação de Valor
Coordenador Geral Adjunto: Thaynam Mariano Costa - JCI (Junior Chamber International) Florianópolis
Coordenadora de Mobilização: Camile Rebeca Bruns - Unimed Brusque
Coordenadora de Mobilização Adjunta: Giseli Mara Schena - SESC Santa Catarina
Coordenadora de Projetos e Recursos: Clarissa Iser - PROJETA Planejamento e Marketing
Coordenadora de Projetos e Recursos Adjunta: Andreoara Deschamps Schmidt - Pessoa Física
Coordenadora de Comunicação: Alessandra Cavalheiro - Pessoa Física

 O grupo foi eleito com mais de 95% dos votos válidos

Katiane Vieira assume entusiasmada para engajar mais catarinenses à causa. "Quero fazer. Temos que ajudar a ONU nesta causa que vem em defesa do Planeta e da vida".
Apesar de conhecer o movimento há apenas um ano, ela diz que motivou-se ao engajamento por considerá-lo muito organizado. "Me chamou a atenção os resultados. Tornei nosso instituto signatário e, logo em seguida, eu também como pessoa física, porque eu acredito em pessoas que se unem para fazer o bem".
A assembleia de eleição e posse aconteceu no auditório  da Eletrosul, em Florianópolis, SC

Katiane Vieira diz que não pretende fazer rupturas das iniciativas de governança da gestão anterior. "Vamos dar continuidade. Queremos trabalhar em conjunto com os que coordenaram com tanta dedicação e competência. Não vamos começar do zero. E vou dar o máximo de mim para melhorar ainda mais os resultados".
Conflitos
Dois graves problemas precisam ser resolvidos com a maior urgência e a assembleia também decidiu por uma reunião extraordinária urgente.
O primeiro deles é oficializar o que já se pratica nestes últimos anos, a independência do Movimento Nacional que está inoperante e que apesar das inúmeras tentativas de aproximação com o catarinense não teve retornos.
O segundo e talvez ainda mais grave seja o nome "Nós Podemos" que se confunde com o partido político "Podemos" e tem inibido a adesão tanto de pessoas físicas quanto jurídicas.
A sugestão inicialmente proposta é que o nome "Movimento Nós Podemos Santa Catarina" se altere para como muitos já o denominam como forma de desvincular dessa ligação política partidária que não há, mas que aparenta: "Movimento dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS da ONU) de Santa Catarina"
Sobre a ruptura com o Movimento Nacional, o Instituto Viva a Cidade - IVC, um dos signatários presentes ao evento defende essa decisão, pois Santa Catarina  "carrega nas costas" o Movimento Nacional sem qualquer retorno, apoio ou comprometimentos.
Mas, o IVC também defende que se o Movimento Nacional voltar a se organizar e atuar à causa, o Movimento Catarinense deve retomar a vinculação.

Saiba mais sobre o Instituto Viva a Cidade - IVC
Acesse o sítio virtual do IVC na internet
Acesse a página do IVC no facebook
Participe da próxima reunião do IVC e associe-se
Acesse documentação oficial da Oscip ambientalista

Saiba mais sobre o IVC neste Blog: 

Unidade de Conservação é tema do Grupo Pró-Babitonga
Reunião de governança do Movimento Nós Podemos tem participação destacada do IVC

IVC integra Comitê Executivo do GPB que tenta reverter fechamento do Ibama em Joinville
A maldade também se renova
Com maiores notas de avaliação IVC conquista prêmios do Edital Simdec 2016
Cartas do IV ECEA e IX FBEA
Diário do Fórum Brasileiro de Educação Ambiental



IVC e COL agem em defesa da Baía Babitonga
SC sedia um dos maiores eventos de EA do País
Vilagaia recebe biólogo do IVC em atividade de Educação Ambiental
IVC comemora 9 anos com fogueira, jantar e nova identidade visual
IVC recebeu troféu Onda Verde
IVC conquista a mais importante premiação ambiental do sul do País
IVC apresenta prioridade de pauta para vereadores joinvilenses
IVC se integra ao Movimento ODS instituído pela ONU
IVC apóia criação do Parque Botânico de Joinville
Unidade de Conservação na iminência de loteamento
GTEA recomenda projeto do IVC ao governo catarinense
IVC compõe o CNEA (Cadastro Nacional de Entidades Ambientais)
Empresas podem fazer doações dedutíveis de IR para projetos ambientais
IVC apoia iniciativa do governo catarinense
IVC expõe na Semana Lixo Zero
IVC tem encontro com área de meio ambiente do Porto de São Francisco do Sul
Candidatos se posicionam sobre "bandeiras" do IVC
IVC e Univille iniciam estudo de parceria com foco na Ilha da Rita na Baía Babitonga
IVC quer posicionamento de candidatos que disputam segundo turno em Joinville, SC
IVC conquista reconhecimento de UPE (Utilidade Pública Estadual)
IVC lança novo sítio na internet em evento do governo catarinense
Engenheira ambiental assume presidência do IVC
Estudantes têm encontro com IVC às margens do rio Cachoeira
IVC se consolida com o pioneirismo no meio ambiente
IVC finaliza projeto e escola se torna referência
Escola modelo é 100% meio ambiente
Matéria oficial sobre o evento no sítio da Prefeitura
A primeira confraternização do IVC
Eco-Escola entra em operação na inauguração da Gibiteca
Diretoria IVC Gestão 2012/2014
Ambientalistas ajudam CEI economizar mais de 50% de água
Água da chuva nos banheiros
Exposição fotográfica circula em escolas
Eco-Escola joinvilense
Documentário "O rio que teima pela vida"
O rio que teima pela vida
Projeto ambiental conquista recursos públicos
Duas ONGs comprometidas com o rio Cachoeira
Inauguração na escola Hermann Müller

terça-feira, 6 de março de 2018

Ipê Produções conquista prêmio da Ancine para produção de longa-metragem

Acendam-se as luzes e, sob aviso de "liguem seus celulares e fumem se precisarem, pois o tempo é de muito trabalho", foi dada a largada para a produção do roteiro do primeiro longa-metragem da Ipê Produções.
Conquista foi tema de reportagem em jornal:

"Palavra Presa" conquistou edital da Ancine que teve recorde de inscritos na disputa. Foram 1109 propostas avaliadas por pareceristas da ANCINE na primeira fase de seleção

 A Agência Nacional do Cinema – ANCINE e o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul – BRDE anunciaram no dia 5 de março deste 2018, o resultado final da Chamada Pública PRODAV 05/2016 (Desenvolvimento de Projetos)

Concluída a etapa classificatória, 203 propostas foram enviadas para a análise da Comissão de Seleção, que elegeu os 81 contemplados anunciados. Entre eles o projeto "Palavra Presa", do núcleo de produção cinematográfica do Bureau de Comunicação e Eventos, Ipê Produções.
O projeto, liderado pela sócia da empresa, Ilaine Melo, é um dos apresentados por produtoras independentes originárias de 17 estados de todas as regiões do País.
Segundo a Ancine, foram contemplados os projetos que demonstraram melhor potencial de desenvolvimento, permitindo vislumbrar retornos artísticos ou comerciais capazes de contribuir para o desenvolvimento e fortalecimento do audiovisual brasileiro.
A escolha também levou em conta a busca por projetos de diversos gêneros e perfis de público, e a composição de uma carteira de projetos que refletisse ainda a diversidade de perfis de realizadores, temáticas e estéticas.
Ipê Produções conquista recursos para desenvolver o roteiro do longa-metragem

Os R$ 10 milhões, em recursos do Fundo Setorial do Audiovisual, serão investidos no desenvolvimento de 40 projetos de longa-metragem (30 de filmes de ficção, 2 filmes de animação e 8 documentários) e de 41 projetos para TV (22 séries de ficção, 17 de animação, e 2 séries documentais).
"Também foram respeitados os indutores regionais definidos no regulamento da Chamada Pública, que previam 30% dos recursos para projetos das regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste e 10% dos recursos para propostas da região Sul e dos estados de Minas Gerais e Espírito Santo", informa a Ancine.
Comissão de Seleção
A Comissão de Seleção contou com a participação de três profissionais independentes – Daniela Busoli, executiva, sócia da Formata Produções e Conteúdo; Marcus Ligocki Jr., diretor, produtor e roteirista; e Paulo Halm, diretor e roteirista – e de duas servidoras da ANCINE.
Trata-se de proposta de longa-metragem documental que pretende abordar o Projeto de Leitura e Remição de Pena no complexo prisional de Joinville / SC, programa onde os apenados têm acesso a obras literárias e, por via deste projeto, podem chegar a ter até 48 dias reduzidos de suas penas anualmente.
A proposta é abordar o impacto que as leituras provocaram nestes indivíduos.
Segundo os avaliadores, o "projeto traz, dessa forma, um tema claro e abrangente, questionando o quanto realmente se pode mudar o mundo através da arte. A definição de público-alvo é aderente ao projeto proposto, que propõe a realização de vídeo promo com material resultante da pesquisa, a fim de divulgar o projeto".
Com nota final 4,10 (máximo é 5), a proposta, segundo a comissão de avaliação, apresenta um objeto claro, relevante, mostrando boa pesquisa sobre o tema. "A abordagem é clara, apontando os distintos personagens que se pretende entrevistar, bem como o que se pretende abordar com cada grupo de entrevistados".
O projeto propõe abordar dois complexos situados na mesma região e que possuem condições bastante diferentes: a Penitenciária Industrial e o Presídio Regional de Joinville, retratando o cotidiano de detentos de ambos os complexos e que trarão inexoravelmente consigo as condições de vida que lhe foram impostas.
"As referências são consistentes, esclarecendo sobre o tipo de documentário que se pretende desenvolver", finalizam os avaliadores.

Equipe Técnica (i4) do Palavra Presa
Pesquisa: Ilaine Melo
Roteiro: Ilaine Melo e Ivi Roberg
Produção: Ipê Produções
Produção Executiva: Ivan Melo

Ivi Roberg
Ivi Roberg estudou cinema na FAAP e Mídia Audiovisual na Universidade da Artes e Design de Offenbach, na Alemanha e na Facultat de Belles Arts, em Barcelona.
Dirigiu mais de 20 curtas-metragens, vários clipes, projetos documentais e instalações de vídeos.
Filmou no Brasil, Alemanha, Tunísia, França, Cazaquistão, Espanha, Rússia, Japão e Estados Unidos.
Participou de diversos festivais e exposições, ganhando entre outros, duas vezes o Prêmio de Cinema de Hessen.
Também foi premiada no festival de vídeo arte Bonnet D’Or, no festival francês Bandits-Mages, no festival de vídeo Arte Visionale, em Frankfurt.
Participou da Bienal Internacional de Artes de Bourges, na França.

Ivan Melo
Ivan Melo tem mais de 20 anos de experiência no mercado nacional e internacional de cinema. Trabalhou como produtor executivo da Mostra Internacional de Cinema em São Paulo e como Diretor Artístico do Festival de Paulínia.
Foi ainda Diretor de Projetos do Polo Cinemátográfico de Paulínia onde esteve envolvido na realização de 40 longas-metragens Brasileiros.
Trabalhou nas distribuidoras independentes, Cult Filmes – uma parceria entre as distribuidoras Imovision, Pandora e Filmes da Mostra – especializada no mercado de vídeo doméstico. E como executivo da empresa Mais Filmes, especializada na distribuição para o mercado de Cinema e Televisão.
Participou da comissão de seleção de alguns dos mais importantes editais do País, como o PETROBRAS CULTURAL, BNDES CULTURA, SPCINE, PROAC entre outros.
Atualmente é sócio de Anna Muylart na empresa África Filmes.
Está associado também à empresa capixaba UACARI FILMES de Ivi Roberg e Juliano R. Salgado (O Sal da Terra) com os quais desenvolve dois longas-metragens, a ficção Vitória, e o documentário AMAZÔNIA.
Produtor Internacional do filme “Corpo Elétrico” de Marcelo Caetano – 2017.
 Ilaine Melo

Ilaine Melo é formada em História com especialização em Antropologia.

Desenvolve desde 1992 pesquisas de História Oral com comunidades pesqueiras e rurais de Santa Catarina.
Dramaturga e diretora de teatro, criou, dirigiu e atuou em vários espetáculos teatrais com diferentes grupos de Santa Catarina.
Responsável pelas dramaturgias do Grupo Unicórnio dos espetáculos: “Paititi”, “O Casamento da Princesa Juliete”, “Eredegalda” e “Histórias na Mata”.
Com o Grupo Unicórnio – de Joinville - foi Vencedora do Prêmio Myrian Muniz com a dramaturgia “História da Minha Gente” em 2007 e Elizabete Anderle em 2012 com o espetáculo “O Sótão”.
Estuda cinema desde 2010 desenvolvendo cursos com Di Moretti, Eliane Café, Alexadre Stokler e Cristiano Burlan




-->
A Ipê Produções é um núcleo profissional focado na produção de projetos culturais e artísticos da empresa Bureau de Comunicação e Eventos Ltda, que é um bureau de negócios nas áreas de comunicação e eventos com foco na cultura e meio ambiente. Assim, especializou-se na concepção de projetos diversos para serem viabilizados com captação de recursos públicos e privados.

No mercado desde 5 de janeiro de 1987, atende empresas e instituições as mais diversas, principalmente na região de Joinville, Santa Catarina, Brasil.
Durante sua existência, tem produzido ações e projetos locais de repercussão nacional e internacional.
√ Se a população brasileira de baixa renda hoje pode adquirir os lotes populares, essa conquista teve início em evento da empresa, em parceria com a Associação de Preservação e Equilíbrio do Meio Ambiente (Aprema-SC). Em 1989 era organizada e realizada a primeira discussão oficial no Seminário de Uso e Parcelamento do Solo Urbano, em Joinville.

√ Em outubro de 1992 realizou uma co-produção de show do humorista Costinha em Joinville.

√ Um dos maiores patrimônios culturais de Santa Catarina, a Festa das Flores, passou por momento de quase extinção. A idealização e produção de um evento paralelo, a Prolar, aumentou em cinco vezes o público visitante, rompendo a barreira dos 100 mil, em 1996, revigorando a tradicional festa e saneando-a, financeiramente, pois 100% da arrecadação da bilheteria, durante os oito anos da Prolar, foram exclusivamente para o caixa da Festa das Flores.

√ Em 2007, via edital público conquistado com o Prêmio Funarte de Teatro Myriam Muniz, o projeto Histórias de Nossa Gente, patrocinado pelo Governo Federal através do Ministério da Cultura, resultou numa pesquisa de campo para o resgate de parte do patrimônio imaterial em cinco comunidades rurais e de pescadores de Joinville e região. Uma dramaturgia foi produzida com esta pesquisa.

√ Em 2009, patrocinada pelo Governo do Estado de Santa Catarina, através da Fundação Catarinense de Cultura via edital Elisabete Anderle, a empresa produziu o espetáculo de teatro Sótão, que reuniu atores premiados e consagrados do meio artístico/cultural. Em 2010 e 2011 o espetáculo Sótão circulou em parceria com o SESC/SC.

√ Em 2009, patrocinado com recursos privados, a Ipê Produções, produziu os documentários COL Joinville 30 anos  e Clube de Oratória e Liderança 30 anos.
√ Em março de 2012 finalizou a produção do documentário O rio que teima pela vida, obra financiada com recursos públicos do Convênio de Cooperação Ambiental do FMMA (Fundo Municipal de Meio Ambiente) da Fundema (Fundação de Meio Ambiente de Joinville).

√ Em julho de 2013 finalizou a produção do documentário Se ligue no esgoto, obra financiada pela empresa de economia mista Companhia Águas de Joinville, através da conquista de edital público.

√ Em junho de 2015 finalizou a produção do documentário O Marinheiro do Rio Cachoeira, obra também financiada pela empresa de economia mista Companhia Águas de Joinville, através da conquista de edital público.

Atualmente, a sede da Ipê Produções é à Rua Xavantes, 476, Bairro Atiradores, Bacia Hidrográfica do Rio Cachoeira, CEP 89203-210 Joinville, SC, Brasil. Fone 47 34339121 e 999.846.244.


Outras postagens culturais neste blog:
Com maiores notas de avaliação IVC conquista dois prêmios do Simdec 2016
Clube de Oratória e Ajidevi são parceiros em curso de oratória e contação de histórias
O Dia Seguinte, com Chico César e Zé Celso, no Teatro Oficina
No "Dia do Rio" COL encerra projeto "O Marinheiro do Rio Cachoeira"
"Território do Brincar" e "O Marinheiro do Rio Cachoeira" na "Virada Educação Joinville"
Um filme incendiário
Bikes Vs. Cars tem exibição em Joinville
Bicicletas X Carros
Mundo meu
Di Dá Dó, no Fórum Mundial da Bicicleta
Existem três tipos de palhaços
Teatro no bar
Ex traficante agora é astro de cinema
5X Favela é o grande campeão do Festival Paulínia de Cinema
Zuenir Ventura debate no Festival Paulínia de Cinema 2010
Premiados do II Festival Paulínia de Cinema

Leia sobre outro projeto também premiado em edital "Sótão":
Seleção de fotos do Sótão para imprensa

Fantásticas histórias sobrenaturais
Cadeira e vassoura da bruxa do Sótão

Dois dos bastidores do Sótão

Tateando ao redor do Sótão

Sótão retorna em março no aniversário de Joinville

Retire o seu ingresso com uma hora de antecedência

Bruxas e lobisomens do Sótão

Folder do Sótão
Sótão em cartaz
Sótão estreia no Sesc Joinville

O encontro do santo com o lobisomem

Lobisomem do Sótão

Carlos Franzoi no Sótão

Sótão premiado

segunda-feira, 5 de março de 2018

BRF precisa se explicar pelo sumiço de enorme passivo ambiental em SC

Na edição 838 de fevereiro/março deste ano, do Jornal O Vizinho (JOV), um dos destaques de capa é uma pequena matéria: "Mais um enorme passivo ambiental em solo catarinense". 
Durante a produção jornalística, pode-se confirmar que o problema soma um complexo histórico de crimes que resulta num passivo ambiental em solo catarinense, no município de Rio das Antas, SC, distante 391 km da capital, Florianópolis. Isto motivou-me ao aprofundamento da investigação.
Em reportagem para a disputa do Prêmio Expressão de Ecologia 2016/20117,  a BRF se identifica como "uma das maiores companhias de alimentos do planeta, criada a partir da associação entre a Sadia e a Perdigão, duas gigantes do mercado alimentício, em 2009. Líder global na exportação de proteína animal, os alimentos produzidos pela BRF chegam a mais de 150 países nos cinco continentes. A companhia contava, em 2017, com mais de 105 mil funcionários em 35 unidades industriais no Brasil, 19 fábricas no exterior (dez na Argentina, uma no Reino Unido, uma na Holanda, cinco na Tailândia, uma nos Emirados Árabes Unidos e uma na Malásia), além de 40 centros de distribuição. A BRF é uma empresa comprometida com o meio ambiente a atua de forma proativa para minimizar o impacto ambiental de suas atividades. Todas as unidades da companhia dispõem de profissionais dedicados às questões ambientais e de eficiência energética."
Na mesma matéria a BRF se diz "Desconfortável com a destinação dos resíduos orgânicos em geral atrelados ao grande volume e alto custo para disposição em aterro sanitário industrial, a BRF Videira procurou uma empresa parceira para destinar de forma mais nobre seus resíduos industriais orgânicos, com o objetivo de reciclar os nutrientes que os resíduos podem oferecer. A solução encontrada foi o tratamento dos resíduos orgânicos através do processo de compostagem, oportunizando a utilização do composto final como fertilizante, que otimiza a fertilidade do solo e proporciona aumento da produção agrícola com menor custo, sem nenhum impacto ambiental. Tendo em vista que no estado de Santa Catarina não havia nenhuma empresa especializada para atender a tal demanda, a BRF Videira firmou parceria com o Grupo Megabox, empresa especializada em tratamento de resíduos, para elaborar um projeto de compostagem destinado a resíduos orgânicos industriais. Localizada a 20 quilômetros da sede da empresa, a Megabox já atendia à BRF fazendo o transporte dos resíduos industriais da unidade para o aterro industrial. A BRF se comprometeu em destinar todos os seus resíduos à nova unidade de compostagem da Megabox e foi firmado um contrato, renovado com ajustes anualmente. Através da parceria implementada, o Grupo Megabox ficou encarregado da operacionalização do projeto e teve investimento total de R$ 4 milhões, mas toda a parte técnica foi elaborada pelos profissionais de meio ambiente e de diversas áreas da BRF".
O incauto leitor ao conferir toda a reportagem da Revista Expressão não pode imaginar que entre o discurso ali discorrido, para a disputa do mais importante prêmio ambiental do sul do País, e a prática, pode haver uma grande distância. 
Em Rio das Antas, acumulam-se milhares de toneladas de passivo ambiental, da BRF S.A. Incubatório Rio das Pedras, Incubatório Santa Gema, Abate de Frangos e Rio das Pedras de Videira, Campos Novos e Herval D'Oeste numa somatória de ilegalidades e crimes ambientais promovidos pela empresa Megabox e, ao que tudo indica, com a conivência de alguns de seus clientes

Procurado o Engenheiro Agrônomo citado na reportagem da revista, Thiago Rech diz que "há uns dois anos" a BRF não tem mais a Megabox como prestadora de serviço, ou seja, que não recebe seus rejeitos industriais. Sua informação não se confirma.
Documentos oficiais comprovam que entre o dia 01 de fevereiro e 21 de março de 2017, portanto a menos de um ano, a BRF S.A. enviou para a Megabox mais de duas mil toneladas de rejeitos. Destes, o lodo das estações de tratamento corresponderam a 75,5% do total recebido pela empresa de Rio das Antas. Resíduos de incubatórios outros 18,79% e cinzas de caldeiras, mais 3,20%.
Encurralado em suas contradições, Thiago Rech disse que não daria mais nenhuma informação e que somente a BRF poderia se manifestar sobre o assunto.

Em contato também com a JBS e questionada se a empresa seria solidária com o passivo ambiental acumulado de seus contaminantes industriais no solo de Rio das Antas, a assessoria de imprensa do grupo fez-se de desentendida e respondeu por email que os resíduos destinados à Megabox eram da Seara, que também é uma empresa do grupo. "A Seara informa que a referida empresa (Megabox) está bloqueada do cadastro de fornecedores, de acordo com sua política de compliance, em função de irregularidades identificadas pela Companhia. A Seara esclarece ainda que não possui contratos vigentes com o fornecedor em questão".
No órgão de licenciamento e fiscalização catarinense, além do crime ambiental de supressão de vegetação sem autorização, a Megabox tem um histórico de autos de infrações ambientais por descumprimento de condicionantes e embargos. "E continua a não atender as exigências legais, por isso temos negado sua LAO (Licença Ambiental de Operação) até que tudo seja rigorosamente cumprido", diz o gerente da Fatma/SC - Caçador, Dario Francio. 
Uma lagoa embargada por irregularidades foi construída próxima a nascente, ampliado o crime pelo corte irregular de vegetação nativa

Em janeiro deste ano a Fatma/SC negou novo pedido de LAO, pois a Megabox não cumpriu uma extensa lista de exigências ambientais, entre elas a de apresentar análise química com resultados para os elementos, altamente tóxicos (cancerígenos), Cromo Hexavalente e Mercúrio.

Segundo fonte que conhece as entranhas da empresa, um dos principais problemas da Megabox é a geração de efluentes líquidos sem a existência de um sistema de tratamento. "Estes efluentes estão sendo armazenados em lagoa que não tem seu conteúdo removido para correta destinação e ainda é aberta. Não sendo coberta, recebe água adicional de chuva com o consequente transbordamento e dispersão de contaminantes no solo. Agrava-se que esta lagoa está em Área de Preservação Permanente - APP".
Outro gravíssimo problema, e que incrimina de forma assustadora a BRF, é que a Megabox vem recebendo resíduos muito acima da capacidade de processamento, o que resulta na incompleta maturação da compostagem.
A capacidade de processamento da Megabox é de 38,50 T/dia.
Só em fevereiro e março de 2017 a empresa recebeu 71,75 T/dia.

Na reportagem à Revista Expressão, a BRF afirma que destinava 105 T/dia de resíduos industriais à Megabox.
Uma investigação minuciosa deve ser feita pelos órgãos competentes, pois só neste período, entre o que a BRF diz ter enviado e o que a Megabox recebera há um passivo ambiental desaparecido de mais de mil toneladas de resíduos industriais altamente contaminantes.

Documento oficial da Fatma mostra vegetação nativa morrendo pelo espalhamento irregular no solo de rejeitos industriais em área da Megabox

Procurado também o administrador da Megabox, Olvidir Contini diz que nunca teve essa função na empresa. A mesma afirmação foi dada por seu advovado, Ocimar Carlos Pioli, completando que seu cliente está esclarecendo tudo judicialmente. "Olvidir é sócio. Mas, desde que integrou a sociedade nunca exerceu gestão e administração. Ele cedeu seu terreno para o investimento, contudo jamais teve acesso a qualquer documento da sociedade. Quem sempre administrou foi João Valdir Alves Meira, por procuração pública". 
Tanto a afirmação de Olvidir quanto a de seu advogado são contraditórias ao Termo de Embargo e Auto de Infração da Polícia Militar Ambiental de 26 de janeiro de 2016. Nestes documentos, constam a assinatura de Olvidir Contini.

Outras investigações e denúncias ambientais relatadas neste blog
Fenaj inicia 2018 prestando solidariedade a jornalista joinvilense

A maldade também se renova Areias Mortais, uma catástrofe ambiental se encaminha
O desastre da Tupy não Vale?  
Morte de Ambientalista. Aumentam suspeitas sobre Joinville  
Ambientalista morto tem seu último pedido atendido  
Denúncia de ambientalistas obriga Fatma a mudar procedimentos
Jornalismo continuado, denúncias têm desdobramentos  
Sindicato analisa posicionamento em defesa de jornalista 
Radialista alerta atitude perigosa da Tupy Fundições  
Prossegue o embate sobre areias de fundição  
Reação de gigante poluidor contra jornalista joinvilense
IVC denuncia prefeituras de Araquari e Balneário Barra do Sul  
Defensoria Social e IVC denunciam prefeitura de Balneário Barra do Sul no MPF 
IVC reage à graves violações
Loteamento com aterro de rejeitos é denunciado pela Defensoria Social  
Minha casa, o fim da minha vida 
"O GIGANTE acuado" já está na livraria  
Acontecimentos inesperados, consequências de incalculáveis repercussões 
Diálogos para um Brasil Sustentável
Livro de jornalista joinvilense é destaque em campanha nacional  
Fui eleito Parceiro da Paz e Sustentabilidade
12/12/12, uma data enigmática
Defensoria Social escolhe Joinville
 

R$ 50 milhões de indenização 
"Deus" tremendo filho da puta
IVC denuncia no MPF duplicação inadequada da Av. Santos Dumont
Joinville amplia seu "Muro de Berlim"
IVC e Defensoria Ambiental pedem embargo de obra da Rôgga em Joinville
Empreendimento da Rôgga em Joinville sofre resistência por supostos danos ambientais
Grupo empresarial Hera Sul tenta impedir minha liberdade de expressão
Sindicato manifesta apoio ao meu jornalismo investigativo
Empresas do PR são denunciadas por crimes ambientais e sonegação fiscal em SC
Governo catarinense é denunciado pela Defensoria Social e IVC

Imperdível, assustador, pois o veneno está à mesa
Barrancos, em Garuva (SC), terra-sem-lei

Uma arma à cabeça, um tiro. Jornalismo é profissão de risco