quinta-feira, 8 de setembro de 2016

Empreendimento da Rôgga em Joinville sofre resistência por supostos danos ambientais

Há alguns meses tenho recebido denúncias de moradores do bairro Anita Garibaldi. A Rôgga Construtora e Incorporadora iniciou a preparação de um terreno à rua Independência, 257 para a construção de torres residenciais com centenas de aptos.

 Imagens do terreno antes do desmatamento para início da construção das torres residenciais da Rogga à rua Independência, bairro Anita Garibalbi

O local é mapeado pela Defesa Civil como área de enchentes. Desde então venho investigando as denúncias. Algumas, sem consistência. Outras, todavia, cobertas de razão.

Nesta investigação confirmei algo que nenhum morador da região havia me noticiado. Há meses acompanho um afloramento de água que na primeira vez acreditei tratar-se de uma poça de águas pluviais ou acúmulo de um talvegue (remanescente de linha sinuosa em fundo de vale, resultante da interseção dos planos de duas vertentes e na qual se concentram as águas que delas descem). O que meu acompanhamento confirmou nestes meses é que mesmo após muitos dias ou semanas sem chuvas, aquela suposta "poça de água", apesar de localizada num ponto mais elevado que outros do terreno, não seca. 
Nesta foto feita em 23 de julho de 2016 o afloramento de água.
Quase dois meses depois, mantinha-se nas mesmas condições hidrográficas, 
apesar do completo desmatamento do local para o início das obras

Acredito que uma outra relação da sociedade com os rios urbanos seja possível.
video
O vídeo permite ver o afloramento contextualizado em todo o terreno

A experiência destes meus mais de 20 anos fazendo investigações de crimes ambientais, principalmente contra os rios de Joinville, me convencem de que, no mínimo, os órgãos ambientais devam ser notificados para investigar esse afloramento de água que está no lado oposto à rua Independência, bem próximo onde a Rogga lacrou, com concreto, outra evidência.

Trata-se de um poço com aproximadamente 3 metros de profundidade que moradores históricos da vizinhança acreditam ser o que ainda se pode ver do rio Elling. Este rio, que pode ser um outro afluente do Jaguarão, teria sido praticamente todo entubado pela prefeitura na década de 1970.
No poço que se podia ver o que sobrou do rio, fotos e vídeos feitos nestes meses de acompanhamento confirmam água corrente mesmo em época de seca.
video
No vídeo é possível ver e ouvir o suposto rio Elling entubado e correndo suas águas, provavelmente contaminadas pelos descartes de postos de lavação e 
esgoto doméstico nas redes pluviais

O IVC (Instituto Viva a Cidade) decidiu protocolar denúncia na SEMA (Secretaria de Meio Ambiente) de Joinville.
A Oscip ambientalista pede ao órgão de fiscalização ambiental o embargo da obra e que se providencie a investigação nos registros da prefeitura do histórico de rios entubados nas décadas de 1970, 1980 para confirmar o que alguns mapas oficiais ainda revelam: que há um rio escondido naquele terreno.
"O IVC, como instituição que busca a preservação do meio ambiente e proteção dos interesses da sociedade civil organizada, tem o dever de solicitar ao órgão ambiental e demais órgãos competentes que investiguem e analisem casos como esse, para que nem a sociedade nem os recursos naturais da nossa região sejam prejudicados", diz a presidenta da entidade, engenheira ambiental Tatiana Valencia Montero.
Os ambientalistas acreditam que o acatamento da denúncia possa salvar o rio antes que a Rôgga construa suas torres de apartamentos, o que enterrará, em definitivo, a possibilidade de termos esse patrimônio natural reintegrado à comunidade.
E tem outro agravante. Como não se tem, ou se escondem, os registros do percurso do rio Elling entubado, com o estaqueamento da obra são grandes as chances de se obstruir o rio por danificação da tubulação. E isto, com certeza, deverá agravar, para o poder público e a comunidade, os problemas de cheias e inundações naquela região. Pois, como disse, o rio Elling, ou o rio que passa entubado por baixo daquele terreno, é um dos que compõem a "mancha de inundação da Bacia Hidrográfica do Rio Cachoeira", segundo estudo do BID apresentado à prefeitura.

Outras investigações e denúncias que contaram com minha participação ativa:
Denúncia de ambientalistas obriga Fatma a mudar procedimentos
Grupo empresarial Hera Sul tenta impedir minha liberdade de expressão 
Sindicato manifesta apoio ao meu jornalismo investigativo
Empresas do PR são denunciadas por crimes ambientais e sonegação fiscal em SC
Governo catarinense é denunciado pela Defensoria Social e IVC
Barrancos, em Garuva (SC), terra-sem-lei
IVC denuncia prefeituras de Araquari e Balneário Barra do Sul
Defensoria Social e IVC denunciam prefeitura de Balneário Barra do Sul no MPF
IVC reage à graves violações
Morte de Ambientalista. Aumentam suspeitas sobre Joinville
Ambientalista morto tem seu último pedido atendido
"O GIGANTE acuado" já está na livraria
12/12/12, uma data enigmática
Defensoria Social escolhe Joinville

R$ 50 milhões de indenização
Uma arma à cabeça, um tiro. Jornalismo é profissão de risco
Loteamento com aterro de rejeitos é denunciado pela Defensoria Social
Minha casa, o fim da minha vida
"Deus" tremendo filho da puta
Imperdível, assustador, pois o veneno está à mesa
Acontecimentos inesperados, consequências de incalculáveis repercussões
Diálogos para um Brasil Sustentável
Livro de jornalista joinvilense é destaque em campanha nacional
Fui eleito Parceiro da Paz e Sustentabilidade
Jornalismo continuado, denúncias têm desdobramentos
Sindicato analisa posicionamento em defesa de jornalista
Radialista alerta atitude perigosa da Tupy Fundições
Prossegue o embate sobre areias de fundição
Reação de gigante poluidor contra jornalista joinvilense


Nenhum comentário:

Postar um comentário