quarta-feira, 27 de abril de 2011

Reação de gigante poluidor contra jornalista joinvilense

A maior fundição da América Latina decide reagir às reportagens feitas no JOV (Jornal O Vizinho). Na Semana Santa, a gigante industrial publicou nota paga em outros jornais tentando desqualificar as denúncias feitas nas reportagens publicadas nas edições 748 e 750.
Na edição 748, comemorativa aos 160 anos de Joinville, publicamos entrevista exclusiva com o Secretário Geral da Defensoria Social, jornalista Leonardo Aguiar Morelli. A matéria denuncia a inadequada reciclagem das areias de fundição da Tupy na produção de tijolos que pavimentam a calçada que contorna o 62 BI (Batalhão de Infantaria) no bairro Atiradores. Morelli afirma que o material é contaminante de graves conseqüências à saúde humana por conter elemento cancerígeno que se desprende com o aumento da temperatura e também pela dissolução nas águas das chuvas ao longo dos anos. Classifica a ação da empresa e da prefeitura como prática de crime ambiental e diz que pode ser pedida a prisão do prefeito Carlito Merss.
Na edição 750, outra entrevista, com o bispo diocesano de Joinville, Dom Irineu Roque Scherer, líder na região de Joinville da Campanha da Fraternidade da CNBB, que nesse ano tem como tema “Fraternidade e Vida no Planeta”. Nessa reportagem, o bispo comenta a denúncia da Defensoria Social e diz que é um caso complexo, mas que a igreja também tem essa função, de debater o tema e contar com o apoio de especialistas no assunto.
Nessa mesma edição o JOV ocupa o espaço editorial para opinar sobre a gravidade da denúncia e se posiciona, como faz há mais de quinze anos, em favor do meio ambiente e contra “qualquer possibilidade da prática de crime ambiental”.
Na edição (751), que também é comemorativa aos 20 anos do JOV, o assunto é destaque de capa e ocupa o miolo, as páginas centrais da edição com publicação, na íntegra, de nota enviada pela Tupy Fundições S.A. e resposta do secretário geral da Defensoria Social às acusações da indústria.
Na edição do dia 20 de abril de 2011, no Jornal A Notícia, na página 11, a Tupy personifica as reportagens feitas no JOV para o editor do veículo numa tentativa manipulatória de opinião pública para enfraquecer as denúncias. O tiro saiu pela culatra. Na Câmara de Vereadores de Joinville, no próximo dia 11 de maio, o assunto será amplamente debatido em desafio de acareação e já ganha repercussão nacional e internacional.
Estarei lá acompanhando cada fala, cada movimento, cumprindo minha missão socioambiental.

segunda-feira, 14 de março de 2011

Sótão encerra primeira temporada com todas as apresentações lotadas

A iniciativa do Sesc Joinville de presentear a comunidade na semana de aniversário dos 160 anos do município com o espetáculo de teatro "Sótão" foi positiva. Apesar das torrenciais chuvas de todas as noites, de trânsito congestionado e acesso ao local quase impossível na estreia, já que o desfile de rua organizado pela prefeitura tinha saída na frente do Sesc e iniciou às 19h30, o anfiteatro do Sesc lotou, sempre.

O palco de "Sótão" é arena

Com exceção da noite de quinta-feira, 10 de março, as chuvas que inundaram a cidade a partir das 18h30 e que provocaram "Estado de Emergência" destelharam o anfiteatro. A grande quantidade de água que se infiltrou colocou em risco os equipamentos de luz obrigando o Sesc ao cancelamento daquela apresentação. Mesmo sem a apresentação alguns só conseguiram chegar em casa perto da meia noite. Ruas e bairros quase inteiros ficaram embaixo d'água. Assustador! Muito, muito mais que as histórias de bruxas, lobisomens, mortes, cobras e assombrações do "Sótão" que encantaram centenas de joinvilenses que decidiram enfrentar o céu desabando nas demais noites das "Águas de Março".

Leone Silva, Mara Kochela, Fábio Cabelo e Muriel Szym
Na sexta-feira, 11 de março, o teatro de Jaraguá do Sul se fez presente na plateia de "Sótão" com Leone Silva e Mara Kochella. Ele, que também é diretor, trouxe excelente contribuição para o futuro do espetáculo com seu olhar crítico na iluminação que deverá sofrer alterações para permitir ao grupo apresentar-se em locais que disponham de pouca infraestrutura.



Este é o mapa de iluminação das primeiras sete apresentações do espetáculo de teatro "Sótão" feitas no Sesc Joinville (três em 2010 e quatro em 2011) e que tinha na técnica Maíra Correia Lemos.
O que intrigou muitos "teatreiros" foi a iluminação que saía de dentro das botijas que são carregadas durante a encenação e ainda recebem litros de leite numa delas, e litros de vinho, noutra, mantendo-se acesas.
No fim do espetáculo muitos querem ver como isso é possível e se surpreendem com a simplicidade da cenotécnica. Essa iluminação deve ser ainda mais explorada nas próximas apresentações. Ela não está nesse mapa.

Aquecimento de Fábio Cabelo
Os bastidores nos oferecem alguns espetáculos à parte, como esse, do músico Fábio Cabelo, que produziu a trilha sonora original e também faz a sonoplastia de "Sótão".

Ilaine Melo e Nando Moraes
No sábado, 12 de março, outro diretor foi prestigiar o espetáculo. Nesta noite, alguns tiveram que voltar para casa. Minutos antes de iniciar a apresentação a bilheteria esgotara-se completamente (tal qual a cobra que protagoniza uma das histórias de "Sótão").
O que não posso deixar de registrar é a atenção e o carinho dos garotos do Sesc Joinville. Cassio Fernando Correia e João Zanella foram "anfitriões" solícitos.

Leia mais sobre o "Sótão" neste blog:
http://jornalistaandrade.blogspot.com/2011/03/fantasticas-historias-sobrenaturais.html
http://jornalistaandrade.blogspot.com/2010/12/cadeira-e-vassoura-da-bruxa-do-sotao.html
http://jornalistaandrade.blogspot.com/2010/12/dois-dos-bastidores-do-sotao.html
http://jornalistaandrade.blogspot.com/2010/11/tateando-ao-redor-do-sotao.html
http://jornalistaandrade.blogspot.com/2010/11/sotao-retorna-em-marco-no-aniversario.html
http://jornalistaandrade.blogspot.com/2010/11/retire-o-seu-ingresso-com-uma-hora-de.html
http://jornalistaandrade.blogspot.com/2010/11/selecao-de-fotos-do-sotao-para-imprensa.html http://jornalistaandrade.blogspot.com/2010/11/bruxas-e-lobisomens-do-sotao.html
http://jornalistaandrade.blogspot.com/2010/11/folder-do-sotao.html
http://jornalistaandrade.blogspot.com/2010/11/em-cartaz-sotao.html
http://jornalistaandrade.blogspot.com/2010/10/sotao-estreia-no-sesc-joinville.html
http://jornalistaandrade.blogspot.com/2010/05/o-encontro-do-santo-com-o-lobisomem.html
http://jornalistaandrade.blogspot.com/2010/05/lobisomem-do-sotao.html
http://jornalistaandrade.blogspot.com/2010/04/carlos-franzoi-no-sotao.html
http://jornalistaandrade.blogspot.com/2009/10/sotao-premiado.html

Mais informações: 47 3433.9121 – Ipê Produções, produtor@ipeproducoes.com.br

Ficha técnica:
Apresentação: Grupo Roca de Teatro
Direção: Ilaine Melo e Franzoi
Dramaturgia: Ilaine Melo
Atuação: Ilaine Melo e Muriel Szym
Cenografia e figurino: Franzoi
Cenotécnica: Altamir Andrade
Iluminação e som: Maíra Correia Lemos
Direção musical e trilha sonora original: Fábio Cabelo
Material gráfico: Iago Sartini
Foto da arte gráfica: Cassios Nogueira
Fotos de divulgação do espetáculo: Pena Filho
Produção: Ipê Produções
Apoio: SESC/SC Joinville, Dionisos Teatro e MAJ - Museu de Arte de Joinville
Patrocínio: JOV - Jornal O Vizinho
Realização: Edital Elizabete Anderle de Incentivo à Cultura da Fundação Catarinense de Cultura do Governo do Estado de SC
Origem: Histórias de Nossa Gente, projeto premiado pelo Governo Federal com o Prêmio Miriam Muniz da Funarte

segunda-feira, 7 de março de 2011

Fantásticas histórias sobrenaturais retornam ao Sesc Joinville

"Sótão", espetáculo de dramaturgia premiada é presente para os joinvilenses no palco do Sesc na semana de aniversário dos 160 anos do município



Ilaine Melo, Carlos Franzoi, Muriel Szym e Fábio Cabelo fazem a revisão do espetáculo para as cinco noites da temporada no Sesc Joinville


Lobisomens, bruxas, benzedeiras, cobras, mortos e assombrações. Histórias e mistério. O envolvimento com o fantástico, com o sobrenatural tão presente e vivo em comunidades tradicionais ganha os palcos com “Sótão”, que dá vida cênica e transpõe o limite entre o real e o imaginário. A obra reúne nomes consagrados da arte e cultura joinvilenses. A atriz Ilaine Melo e os atores Fábio Cabelo e Muriel Szym atuam sob a direção conjunta de Carlos Franzoi.
Recomendado para maiores de 16 anos, “Sótão” é um espetáculo que traz para o encantamento do teatro histórias guardadas nos baús da memória e que convidam a plateia a reviver e a sentir aquela estranha sensação entre o medo e a sedução em algumas questões de fé permeadas com doses de mentiras e verdades que se manifestam nos risos e silêncios ruidosos da plateia.
Com entrada franca, os ingressos serão distribuídos uma hora antes, ou seja, a partir das 19h. As apresentações acontecem de 9 a 13 de março, sempre às 20h, no teatro do Sesc Joinville, à rua Itaiópolis, 470. A peça é intimista, tem duração de uma hora, e a plateia se torna parte do cenário em algumas interações dos blocos bem demarcados na dramaturgia que resultou da pesquisa em cinco comunidades de Joinville e região.
A pesquisa teve início em 2006 e foi realizada pela historiadora Ilaine Melo. O projeto foi patrocinado pelo Governo Federal com o Prêmio Funarte de Teatro Mirian Muniz que permitiu contato com moradores das comunidades do Morro do Amaral, Estrada Palmeiras, Quiriri (Joinville), Vila da Glória (São Francisco do Sul) e Itapocu (Araquari).
Em 2009 o Governo do Estado de Santa Catarina selecionou o projeto de produção do espetáculo teatral. “Sótão” disputou o edital Elisabete Anderle de Incentivo à Cultura com outros quase dois mil projetos e foi um dos 189 selecionados. Além dos recursos públicos a obra recebeu apoio de entidades como o Sesc Joinville, Dionisos Teatro, Museu de Arte de Joinville e patrocínio do Jornal O Vizinho.
A diretora do jornal diz que O Vizinho sempre esteve comprometido com atividades artísticas e culturais. Quando o veículo fez dez anos a peça de teatro “Amor Cachorro” foi o evento comemorativo. “Agora, para os vinte anos que o jornal completa mês que vem, Sótão é o evento de comemoração”, diz Fabiane Carvalho.

Leia mais sobre o "Sótão" neste blog:
http://jornalistaandrade.blogspot.com/2010/12/cadeira-e-vassoura-da-bruxa-do-sotao.html
http://jornalistaandrade.blogspot.com/2010/12/dois-dos-bastidores-do-sotao.html
http://jornalistaandrade.blogspot.com/2010/11/tateando-ao-redor-do-sotao.html
http://jornalistaandrade.blogspot.com/2010/11/sotao-retorna-em-marco-no-aniversario.html
http://jornalistaandrade.blogspot.com/2010/11/retire-o-seu-ingresso-com-uma-hora-de.html
http://jornalistaandrade.blogspot.com/2010/11/selecao-de-fotos-do-sotao-para-imprensa.html
http://jornalistaandrade.blogspot.com/2010/11/bruxas-e-lobisomens-do-sotao.html
http://jornalistaandrade.blogspot.com/2010/11/folder-do-sotao.html
http://jornalistaandrade.blogspot.com/2010/11/em-cartaz-sotao.html
http://jornalistaandrade.blogspot.com/2010/10/sotao-estreia-no-sesc-joinville.html
http://jornalistaandrade.blogspot.com/2010/05/o-encontro-do-santo-com-o-lobisomem.html
http://jornalistaandrade.blogspot.com/2010/05/lobisomem-do-sotao.html
http://jornalistaandrade.blogspot.com/2010/04/carlos-franzoi-no-sotao.html
http://jornalistaandrade.blogspot.com/2009/10/sotao-premiado.html

Mais informações: 47 3433.9121 – Ipê Produções, produtor@ipeproducoes.com.br

Ficha técnica:
Apresentação: Grupo Roca de Teatro
Direção: Ilaine Melo e Franzoi
Dramaturgia: Ilaine Melo
Atuação: Ilaine Melo e Muriel Szym
Cenografia e figurino: Franzoi
Cenotécnica: Altamir Andrade
Iluminação e som: Maíra Correia Lemos
Apoio: Fernando Felippi
Direção musical e trilha sonora original: Fábio Cabelo
Material gráfico: Iago Sartini
Foto da arte gráfica: Cassios Nogueira
Fotos do espetáculo: Pena Filho
Produção: Ipê Produções
Apoio: SESC/SC Joinville, Dionisos Teatro e MAJ - Museu de Arte de Joinville
Patrocínio: JOV - Jornal O Vizinho
Realização: Edital Elizabete Anderle de Incentivo à Cultura da Fundação Catarinense de Cultura do Governo do Estado de SC
Origem: Histórias de Nossa Gente, projeto premiado pelo Governo Federal com o Prêmio Miriam Muniz da Funarte

sexta-feira, 4 de março de 2011

Juiz me intima e valoriza o boato ao jornalismo

Boataria que circula na cidade de Garuva resultou em matéria na edição 28 do JOG com reportagem de capa e destaque em editorial. O principal protagonista, juiz e diretor do Fórum de Garuva, reagiu da forma mais insólita. Rafael Osorio Cassiano acionou a promotoria para esclarecer boato que o envolve por ter voltado atrás na decisão que obrigava a Casan a desligar a rede da Águas do Kiriri e a ligar a da estatal.
Fui parar na delegacia e a edição 29 do JOG tem a reportagem de capa sobre o assunto.
Nela também destacamos o caso em editorial com o título Sigilo da fonte até as últimas consequências.
Transcrevo, a seguir o editorial:
"Uma das bases do jornalismo é a fonte. Tal é a sua importância como alicerce das sociedades democráticas que a Constituição Federal da República Federativa do Brasil e o Código de Ética dos Jornalistas Brasileiros garantem o sigilo dela. Como o acesso à informação de relevante interesse público é um direito fundamental, os jornalistas não podem admitir que ele seja impedido por nenhum tipo de interesse. Uma das premissas do bom jornalismo é a divulgação da informação precisa e correta, dever dos meios de comunicação e que deve ser cumprida independentemente da linha política de seus proprietários e/ou diretores ou da natureza econômica de suas empresas.
Desde a primeira edição do JOG (Jornal O Garuvense) a produção e a divulgação da informação têm se pautado pela veracidade dos fatos e por finalidade o interesse público. Basta acessar o sítio na internet (www.ogaruvense.com.br) e conferir desde a primeira edição essas premissas.
A prática do compromisso fundamental do jornalismo com a verdade no relato dos fatos nos obriga a apurar os acontecimentos e a sua correta divulgação. Portanto, aqui no JOG, jamais nossos leitores encontrarão boatos reproduzidos.
Também é dever do jornalista opor-se ao arbítrio, ao autoritarismo e à opressão. Estamos convencidos de não ter sido esse o caso (opressão) do poder judiciário de Garuva como tentativa de intimidar o JOG ao intimar nosso jornalista à depoimento na delegacia de polícia. Se temos o cuidado de não sermos protagonistas da oficialização de boatos, temos o dever de informar quando uma autoridade decide relacionar-se de forma contrária. Nessa edição o boato se transforma em matéria jornalística uma vez que o judiciário tornou público o assunto e no contexto onde está inserido tem relevância.
Até a edição 28 do JOG tínhamos uma relação com o judiciário construída aos interesses da comunidade e sempre tivemos acolhida naquele poder no exercício da nossa atividade profissional. Esperamos continuar e aperfeiçoá-la ainda mais.
Oxalá a decisão do judiciário de investigar boatarias resulte no avanço, no amadurecimento de uma sociedade que tem nesse artifício uma relação corriqueira; e faremos de tudo para ajudar nessa construção. Aliás, temos feito bastante isso desmentindo algumas autoridades políticas e empresariais que fazem afirmações mentirosas publicamente. Mas, acima de tudo o JOG mantém o compromisso constitucionalmente inviolável do sigilo da fonte, matéria prima essencial do jornalismo. Se necessário for iremos às últimas conseqüências para preservá-las."

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Da janela de um trem

O COL (Clube de Oratória e Liderança ) me permitu bons encontros. Um dos mais sólidos e duradouros tem sido com o empresário Mário Zendron. Ao completar em janeiro 81 anos, esse senhor que tem muito da juventude de sua idade inversa ainda presente no dia-a-dia - basta conviver com ele para admirá-lo por isso -, presenteou os convidados para a sua festa com sua biografia.

Abraçado por Ilaine Melo, o amigo Mário Zendron num jantar do COL com o presidente Roberto Neotti

Saí do Prinz com o livro "Da janela de um trem - Memórias dispersas" numa sexta-feira a noite. No domingo de manhã, viajei quase 100 Km para "tentar" lê-lo numa das praias que mais gosto, Cabeçudas, em Itajaí, SC.
"Tentar" porque biografias que não sejam de grandes escritores ou personalidades, quase sempre são muito chatas. No máximo alguns membros da família (muito poucos) se "obrigam" a ler inteiramente.
Eram 9h de uma manhã nublada num dia que seria de pouco sol - somente a partir das 13h - e, ainda assim, tirado o seu brilho de vez em quando por algumas nuvens que deixavam cair minguados pingos no corpo aquecido pelo mormaço, o que provocava um frescor despertante.
Acompanhado de vinho, água e alguns petiscos, fui me deixando levar pelas histórias que lia. Algumas já as conhecia. Outras, surpreendentes novidades como quando ele grita publicamente com o ex-governador de SC, no aeroporto, acusando-o de "não ser homem" e Esperidião Amim por pouco não o agride.
Esse é o Mário Zendron. Um homem de muitas, muitas histórias, um empreendedor, uma criatura do bem impregnada de conceitos de gerações de décadas atrás e também preconceitos, como os temos todos os seres humanos, por mais que os queiramos negar.
O vinho bom, a paisagem da praia, as mulheres lindas a desfilar e algumas, sentadas ao longe, a flertar, de vez em quando me tiravam da leitura. No meio da tarde, quando me dei conta, eu acabara de ler o livro. Fui surpreendido pelo "aprisionamento" à leitura e eu não sou parente do Mário Zendron!!! - apesar de às vezes tratá-lo como se meu pai fosse. Noutras, como irmão. Mas, quase sempre como um dos meus melhores Amigos.
Tenho outras biografias de amigos e conhecidos. Nenhuma delas consegui terminar a leitura. A maioria não me cativou para ler dez páginas. "Da janela de um trem" quase me fez esquecer onde eu estava. De tal maneira que ao terminar a leitura então retornei do imaginário da criação de imagens que o texto me remetia constantemente para me contextualizar com o que acontecia ao redor de mim. A praia estava cheia e eu ardendo. Fiquei sentado desde às 9h com meu lado esquerdo para o Leste e o sol escondido atrás das nuvens. Estas deixavam cair alguns esparsos pingos de chuva que me refrescavam do mormaço.
A leitura absorveu-me tanto que não senti o que me acontecia; e a imprudência não me deixou que me protegesse com o protetor solar. Assei-me, embolhei-me e troquei a pele dos pés às orelhas na metade (esquerda) do corpo nos dias seguintes. A leitura me fez admirar ainda mais essa criatura, esse Amigo que também está no vídeo da minha produtora produzido para comemorar os 30 anos do COL. Vale a pena ouvi-lo e ver seu depoimento no video.

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Jantares e entrevistas

Fica ainda melhor trabalhar quando se pode conciliar alguns prazeres. Cozinhar é algo que gosto muito. Minha preferência é pegar triviais e dar um toque especial, como por exemplo, sobrecoxas de frango assadas ao molho de vinho branco e batatas. Na semana passada alguns convidados num destes eventos conciliatórios de trabalho com o prazer de receber e dos encontros.
Jorge Luiz Mazotto, Salette Soares, Manoel Francisco Bento e Ilaine Melo num destes encontros que terminou às 2h30 da madrugada embalados por comida saborosa, bons vinhos, ótima cachaça e melhor ainda, conversa.

Parte dessa conversa está na edição 747 do JOV que tem o encontro (no papel) de duas lideranças políticas como está descrito no editorial: "Opostos, mas muito em comum
O caldeirão em ebulição das últimas semanas está exigindo, tanto dos poderes executivo como legislativo, mudanças mais afinadas com a sociedade. Em horários diferentes, tanto o líder do governo Carlito Merss, o vereador Manoel Francisco Bento (PT) quanto o presidente da CVJ (Câmara de Vereadores de Joinville) o vereador Odir Nunes (DEM), ocuparam a mesma cadeira para atender o nosso chamamento. Apesar de militarem em partidos reconhecidamente opostos, os dois têm muitas coisas em comum como serem conterrâneos e declararem o respeito mútuo na atividade profissional e a admiração recíproca nas relações pessoais. Outro destaque de uniformidade de pensamentos é a defesa do presidente da Fundema e sua manutenção na liderança do órgão de fiscalização ambiental do município.
Posicionamento esse que também é compartilhado com o IVC (Instituto Viva o Cachoeira) e o JOV (Jornal O Vizinho) que têm acompanhado com especial atenção o trabalho da equipe da fundação.
Entre outras recentes ações, a Fundema lançou a cartilha do Plano de Educação Ambiental (PEA) através de Comunicação Social e Mobilização Pública no âmbito do Projeto Viva Cidade. Ela leva o nome "Qualidade Ambiental em Joinville: sua ação faz diferença!". São cinco mil cartilhas de 28 páginas que abordam algumas características ambientais do município, os desafios nas áreas de controle de inundações, água e esgoto, tratamento e destinação do lixo, preservação e educação ambiental e que serão distribuídas principalmente nas escolas. Mais uma excelente iniciativa que tem como objetivo criar um modelo de abordagem, disseminação das informações de educação ambiental e conscientização geral da população."
Quem também lá esteve no domingo (13/02), à tarde, quando estava a caminho da Arena (não sabia ele que assistiria uma derrota do JEC para o Metropolitano de 4X1 com gol contra, inclusive), foi Odir Nunes. Solícito, ele parou para atender o meu convite de uma conversa para o jornal e atrasou a chegada no campo. Só o liberei quanto ouvimos o foguetório na Arena e o motorista que o aguardava meteu a mão na buzina. Ficamos juntos apenas uns quinze minutos, mas não há dúvidas de que também vou convidá-lo para um papo mais longo de um jantar.
Aos dois líderes políticos meus especiais agradecimentos pelo pronto atendimento ao meu convite.
Para ler as matérias acesse a edição 747 de http://www.ovizinho.com.br/.

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

Sobrevivi a três enfartes no mesmo dia

Uma leitora do blog, que o acessa através do meu facebook, por conta do meu atropelamento e dos encontros arriscados com os búfalos, me perguntou como está meu coração. Há poucos anos descobri que ele tem um defeito, quando sobrevivi a supostos três enfartes, seguidos, no mesmo dia. Creio que essa experiência vivida por mim possa ser útil para alguns leitores.
Eu morava em apto no bairro Aventureiro. Sozinho. Naquele dia tive emoções fortes de alegria por conta de uma conquista. Eu transpirava felicidade. Dormi muito bem até a madrugada. Acordei num salto sentado e berrando de dor no peito, no coração. Fora como se alguém tivesse enfiado muito rapidamente uma faca fina no meio dele.
Como a dor foi exagerada, facilmente localizei ser no coração. "Será que tive um sintoma de enfarte sendo tão jovem - apenas 47 anos?". Não quis correr risco. Vesti-me e vim para o centro, dirigindo, e eu estava normal. Apenas a dor da pontada. Meia hora depois, ao invés de ir ao hospital decidi ficar na empresa, há menos de 500 m do Dona Helena. Liguei os computadores e comecei a trabalhar. Era em torno de 5h da madrugada. A segunda "facada", agora ainda mais dolorida porque fora exatamente no mesmo lugar. Suei frio com outro grito.
Quase não chego ao hospital
Recobrei da dor e então fui para o hospital. Tão curta a distância, preferi caminhar. Na calçada do Shopping Cidade das Flores, à rua Mário Lobo, perto do ponto de ônibus, mais uma "facada", no mesmo ponto do coração. A dor foi tão insuportável que nem grito gerou, mas uma vertigem me pôs de joelhos e encostado na parede e um desmaio de alguns poucos segundos. Esse havia sido o segundo desmaio em toda a minha vida.
Quando voltei à consciência eu deveria estar muito mal na fotografia, porque um rapaz que vinha pela mesma calçada atravessou a rua quando me viu naquele estado. Deve ter pensado que cruzaria com um drogado ou alcoolizado, foi a leitura corporal que fiz dele.
Levantei convencido de que sobrevivera a três enfartes e cheguei à emergência do hospital me arrastando de tanta dor. Fui imediatamente atendido e levado às pressas ao explicar o que acontecera, pois não havia dúvidas de que era enfarte e só um milagre ainda me mantinha vivo; talvez eu não escapasse do quarto.
Os exames dos sintomas iniciais sinalizavam ao especialista tratar-se mesmo de um raro sobrevivente. Até o fim do dia exames mais minuciosos confirmaram que meu coração estava ótimo apesar de um "defeito raro".
Defeito no coração
Na linguagem simples que o médico usou para explicar-me eu a tenho repetido aos que conto esse episódio.
Os corações têm uma abertura máxima que é determinada por um "fio" como se fosse um controlador de "fim de curso" para que ele não abra mais que o necessário. Sob determinadas situações de forte emoção o coração bombeia mais rápido e com mais força podendo sobrecarregar esse "fio". No meu caso esse "fio cursor" é menor que o normal, mas nada que possa trazer qualquer problema cardíaco.
"Provavelmente", me disse o médico, "a felicidade do dia anterior acelerou o coração além do meu normal forçando esse 'fio'. O sintoma da dor é como se tivessem enfiado uma agulha ou faca fina no peito".
Entendi, vi as radiografias e me convenci da explicação. Médicos, enfermeiros e atendentes que já sabiam de um sobrevivente à três enfartes logo começaram a ter ciência desse caso anormal e então tudo se esclarecia para surpresa de alguns.
Desde então tenho cuidado ainda mais desse órgão tão fantástico do meu corpo e tomo cuidado para não deixar que as emoções se construam com muita força porque literalmente eu grito de felicidade.
Além do que tenho, na família, um ente querido que morreu de felicidade.
Felicidade também mata
Essa história, que ele não sabia, contei ao então prefeito de Joinville, Luiz Henrique da Silveira que era muito amigo do Capitão Silvio Silva e fora um dos maiores responsáveis por esse fato. Os dois tinham um amigo em comum, o Cel. Pedro Ivo Campos. Homens políticos e defensores das mesmas ideologias, quando o Cel. Pedro Ivo elegeu-se governador de Santa Catarina convidou o cap. Silvio Silva para ser o Gerente Regional Joinville da Casan. Ele aceitou e vivia um dos momentos de maior felicidade da sua vida por conta da confiança nele depositada pelo governador e pelo amigo LHS.
No dia do meu aniversário (13/04) o cap. Silvio Silva, que jovem no exército fora membro da segurança pessoal do presidente Juscelino Kubitschek, faleceu após internamento por um enfarte alguns dias antes que o colocara na UTI. Ouvi, de murmúrio dele, que fora a alegria que o infartara e não duvido, pois era um homem comedido em tudo. Portanto, sei que a felicidade também pode matar.

quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

Mergulho ao lado de animal selvagem

Você pode se imaginar numa praia subindo à superfície da água após um demorado mergulho e dar de cara com um enorme e selvagem búfalo na sua frente, no meio das ondas?
Pois, vivi essa experiência inusitada e outras inesquecíveis na Ilha de Marajó, no Pará, em pleno inverno (deles, lá o inverno é a época das chuvas que abundam neste período do ano). Se olhar atentamente na foto acima é fácil perceber o meu espanto, afinal o bicho não era pequeno...
Na maior ilha fluvio-marítima do mundo a população dominante é de búfalos. A grande maioria, selvagens. Esses animais não são nativos. Chegaram lá nadando e reproduziram aos milhares naquela imensa ilha de floresta amazônica. É lá que estão 80% da população brasileira desses bichos que são nativos da Ásia. Segundo os moradores da ilha um navio que carregava os animais afundou perto da costa brasileira e os que sobreviveram nadaram até a Ilha de Marajó.
Os selvagens são evitados, pois atacam até onças, o predador mais temido da selva. Segundo o biólogo da Universidade Federal do Amazonas (UFAM), Salvatore Rossy, por serem animais invasores eles não têm predadores.
Para se ter uma idéia do quanto esse quadrúpede de carne saborosa é selvagem, em Rondônia uma manada de 20 deles estava sendo observada por aviões por uma equipe de pesquisadores. Ela entrou numa fazenda abandonada e se deparou com a sucata de um trator abandonado. Ao ver a máquina, um dos animais se assustou e correu para chifrar o veículo. Isso porque eles nunca haviam visto um trator. Na imaginação deles, aquilo era uma ameaça. Ao correr contra a máquina, o animal bateu com a cabeça na lâmina e morreu na hora. Para abater um animal desses só com um trator ou tiros de fuzis. Eles pesam mais de uma tonelada.
A Ilha de Marajó é o paraíso desses animais que adoram banhos de lama, também. Nas regiões povoadas, assim como os cavalos e os bois, muitos foram domesticados e prestam enormes serviços de carga e tração além do fornecimento de carne, leite, couro etc.
Lagos e igarapés também não escapam do desfrute desses animais. Portanto, é bom estar atento nos banhos porque são enormes as chances de você ter essa companhia e, garanto, mesmo os domesticados não são nada sociáveis com os estranhos.
Lembram-se daquela série da Rede Globo de televisão "No Limite". O primeiro programa foi numa fazenda na Ilha de Marajó. A iniciativa da Globo permitiu aos proprietários transformarem o local depois que o programa terminou e investiram no turismo ecológico haja vista o enorme marketing da TV.

A Fazenda São Jerônimo é um dos melhores locais para quem se dispõe a passar alguns dias ou semanas muito próximo da vida selvagem quase ao extremo. Foi na fazenda que um dos búfalos, daqueles que se deixam montar, me atacou.

Um bicho desse tamanho bufando e correndo para cima de você é assustador! Só porque eu o estava admirando. É um belo animal. Meu erro? Olhei nos olhos dele. Nem os domesticados se deixam encarar. Para eles isso é uma provocação. Só deixei que ele chegasse perto o bastante para essa foto e um pouco do bafo no meu rosto e descobri que estou em boa forma quando o assunto é correr.
Acredite, esse bicho aí de cima não estava bem intencionado...
Contam que se um animal desses aparecesse na tua casa com a "galhada florida", cheia de mato, ou folhas, ou flores etc. é um aviso de que algum parente morreu ou vai morrer naquele dia. Essa história não ouvi na Ilha de Marajó, mas quando, na madrugada, abri a porta da pousada e vi esse com a galhada florida... fiquei apreensivo por alguns instantes.

Eles são os donos da ilha. Desde que você não os olhe nos olhos, as manadas domesticadas dá para encarar um "abre alas que eu quero passar..."

Se a Ilha de Marajó fosse um estado a capital seria Soure. É o maior e mais bem estruturado município da ilha. Milhares de bicicletas, centenas de motos e poucos, raros são os veículos. Mesmo ali no centro urbano, na maior avenida de duas vias duplas com um largo canteiro central de frondosas mangueiras enfileiradas à perder de vista, os búfalos de vez em quando são maioria. Eles disputam (e levam vantagem principalmente com os turistas) as milhares de mangas que caem no chão.

Aliás, depois de comer as mangas da Ilha de Marajó dá raiva comer qualquer outra manga. Elas são pequenas e muito, muito doces. Inigualáveis. Todas as frutas de lá têm sabor especial. Tangencialmente localizada à linha do Equador, o sol é abundante, é direto, na ilha. Que sabor têm as frutas!!!
Se eu montei algum búfafo? Não, uma búfala, sim. Um passeio inesquecível ao mangue mais lindo que já vi na minha vida. Mas isso é para uma próxima postagem.


terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Fui atropelado e posto à nocaute

Essa postagem não tem imagens como nas anteriores, mas uma história que deverei contar para muitos

Na noite de ontem passei quase três horas na cozinha. Foi a primeira vez que preparei um galo caipira com aipim amarelo. Jantei comendo boas partes da saborosa comida (Nada que uma boa caminhada no dia seguinte não ajude a compensar o exagero gastronômico noturno).Vou repetir o que tenho dito cada vez que termino de cozinhar: "Quando eu escrever tão bem quanto cozinho serei um bom jornalista". O dia amanheceu agradável para isso. A trovoada com as fortes e longas chuvas de ontem deixaram a noite fresca e o amanhecer próprio para o exercício. Aliás, gosto de práticas que permitem ao meu corpo ser a força motriz. Nadar, remar, caminhar e pedalar procuro ao máximo. Pois, foi caminhando para o escritório central que no meio do caminho fui posto à nocaute.
Era a sétima hora da manhã do décimo primeiro dia do primeiro mês do décimo primeiro ano do terceiro milênio. Eu já estava na metade do caminho de uma caminhada de 40 minutos quando tentava atravessar a rua Visconde de Taunay que há muitos anos é mão única. Pedestres e cilclistas, desde a inauguração do calçadão e ciclofaixa que rodeiam a sede do 62 BI (Batalhão de Infantaria) no fim do ano passado, priorizam o local. Pedestres e ciclistas não se obrigam às regras de trânsito de mão e contra-mão, mas convém. Assim, eu caminhava na contramão para atravessar a referida rua em direção à calçada, ali na altura do Bierkeller.
Esquerda direta no fígado
Nesse ponto, uma curva fechada obriga ao pedestre atenção redobrada para não ser pego por veículos que surgem de repente. Então, a atenção é só para o lado esquerdo. Pois, do lado direito pedalava um trabalhador na contra-mão (nesse horário é pequeno o fluxo de veículos). Não o vi nem ouvi. Só senti o impacto que foi como se houvesse tomado um soco de um boxeador. Foi mais ou menos o que aconteceu. A mão esquerda no guidão foi quem acertou-me nas costelas naquele ponto que os boxeadores buscam incansavelmente atingir seus opositores. Foi uma esquerda direta no fígado.
Caí de quatro ralando bastante os joelhos ainda sem entender nada e vitimado por um desmaio de no máximo uns três segundos. Ato contínuo e já consciente ouço uma voz se desculpando. O homem estava perplexo e preocupado comigo. Ainda zonzo, precisei sentar-me (havia um providencial muro baixo) e a primeira coisa que disse foi: "Estás maluco. Vens na contra-mão e não olhas o que tem na frente!". Mas, logo em seguida sorri e disse para ele não se preocupar, apesar da forte dor nos joelhos.
Destruí a bicicleta
Incrível o que vi... A bicicleta entortou, a roda dianteira estava longe e o homem não conseguiu mais pedalá-la. Tudo isso na trombada com o meu corpo! Que muralha, pensei, sendo quase franzino.
Cinco minutos depois eu decidi continuar minha caminhada e me despedi do homem desejando que ele tivesse um bom dia. Senti pena dele. Afinal, foi um acidente. A calça roçando os joelhos me obrigaram a ir mais devagar, quase coxo. Ao chegar à empresa, sentei-me e tive uma vertigem pela dor na região do fígado e rin esquerdo. Não tive dúvidas. Fui imediatamente à emergência do Hospital Dona Helena que fica a menos de 500 metros.
Lembrança cavalar
Dezenas de radiografias e nenhum osso quebrado. Só a visão dos nós de duas costelas quebradas há alguns anos quando meu cavalo passou por cima de mim num tombo em que tentei segurar minha filha que caia do cavalo dela. A cela do meu não estava adequadamente presa (culpa do tratador que era o encilhador) e fiquei por alguns segundos naquela posição que se vê em desenho animado, pendurado embaixo do cavalo com a cela na barriga do animal. Quando meus pés se soltaram dos estribos o animal ainda estava em galope. Caí no chão e uma das patas traseiras pisou exatamente no local onde fui posto à nocaute hoje. Boas lembranças da minha relação com esses belos e gigantes animais (apesar da dor).
Mais de duas horas depois e consulta com especialistas, o jovem médico (Damiano S. Hemkemaier) deu-me uma lista de sintomas que se um deles se apresentar devo voltar à emergência. "Observação rigorosa pelas próximas 48 horas", alertou o simpático médico. Então, estou me observando, ralado e dolorido, mas como sou "patrão", como disse o outro médico que queria me dar um atestado médico, estou trabalhando.
Em Joinville, que já foi considerada a "Cidade das bicicletas", ciclovias e ciclofaixas e trânsito cada vez mais congestionado estimulam pedestres e ciclistas. Há três anos que evito usar o carro muito mais por uma preocupação ambiental. Aprendi, nas costelas, que devo ser mais cuidadoso. Tentarei.

domingo, 9 de janeiro de 2011

Brincando com a lua

Na postagem anterior revelei um pouco do que tenho ao redor do lugar onde moro. Comecei mostrando a imagem do alvorecer. Pois o fim do dia também oferece, no mesmo horizonte, outro espetáculo
De vez em quando "brinco" com a lua e as luzes de parte da cidade produzindo imagens que gosto muito
Antes de mostrar outras dessas "obras", na postagem anterior também falei e mostrei algumas aves exóticas. Faltou mostrar uma das mais belas, pelo seu tamanho (quase o de um peru) e socialização (muito mansa).
Trata-se do Jacu. Este parece liderar o bando barulhento (são muito barulhentos!) que até na garagem já estiveram e foram enxotados para que não devorassem algumas plantas e flores de um dos jardins. Mas, voltemos às minhas brincadeiras com a lua.

Da varanda vê-se, em algumas épocas do ano, tanto o sol quanto a lua nascerem quase no mesmo ponto da linha do horizonte. Em alguns dias é possível ver o sol subindo ao leste e a lua se pondo a oeste  que são as laterais da casa que tem a frente voltada para o sul. Para se apreciar esse fenômeno matinal dos astros que nunca se encontram basta posicionar-se no centro da casa.
Seguem mais algumas imagens noturnas do meu passatempo "brincando com a lua":

Apesar de o Cemitério Municipal estar próximo, estes não são "Fogos Fátuos", apesar de ser assim que identifico esta imagem. Podem me ajudar a nominar as demais:


quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

Bons lugares para viver

Assim começam meus dias quando ensolarados
Minha relação com a natureza a considero umbilical. Vivi por alguns poucos anos no Condomínio Naturista Morro da Tartaruga, que criei com alguns amigos naturistas ao lado da Praia do Pinho em Balneário Camboriú, SC. Acreditava que dificilmente encontraria um lugar tão bom para viver. Enganei-me. Desde 2009 resido ao lado de uma área de preservação.
Além do belo espetáculo do nascer do sol, as manhãs são regidas por sinfonias que, nos meses de verão, têm predominância dos cantos das cigarras. Mas, as aves como Jacus (bandos), sabiás, saíras de sete cores, tiés, canários, tucanos entre outras espécies são abundantes.

Alguns desses emplumados entram na casa e ficam presos nos vidros. Exaustos, se deixam pegar e descansam por longos tempos até nas minhas mãos. Sem aviso, recuperados, vão embora, mas por pouco tempo. Logo voltam para o tratador que mantenho com sementes, frutas e líquidos perto de uma das janelas da casa. Deleito-me apreciando-os todos os dias.
Quase no topo de um morro e rua sem saída, o local oferece uma privacidade antagônica com a tangência do caos urbano do centro da mais industrializada cidade do Estado.
Rodeada por belíssimo jardim, a profusão de folhagens e flores pinta um quadro também contemplativo como paisagem.
Cores as mais diversas formam um mosaíco que só a natureza é capaz de tão harmônica mistura
Além da diversidade de espécies, algumas multiplicam essa variedade com as mudanças de cores e tonalidades

 A orquídea, flor símbolo de Santa Catarina e também de Joinville - que é conhecida como "Cidade das Flores" -, é outra que ornamenta os jardins. Nem todas as flores, no entanto, exibem-se por vários dias ou até semanas.
Na sequência, a Dama da Noite é daquelas flores exóticas, do tipo que a maioria não investiria em cuidados para vê-la apenas por uma noite. Ela floresce apenas uma única vez e durante a noite obedecendo o relógio biológico da natureza. Ao amanhecer fecha-se e em poucas horas cai. Já fiquei horas ao lado vendo-a abrir numa velocidade de câmera muito lenta até o seu clímax.

Noutro dia chuvoso, uma saíra militar brincava com seu reflexo no retrovisor do veículo.

Consideradas comuns, as rosas também perfumam o ambiente que convidam à interação mais intimista.

Esta é daquelas que pode inspirar o poeta que adormece em algumas almas. Por enquanto, talvez por minha insensibilidade, nenhuma delas despertou-me para a escrita de versos.
Quase sempre os fundos de quintais são poucos atrativos. Aqui tenho o privilégio de uma vastidão de mata com árvores frondosas e este buganville pintando o verde visto da porta dos fundos.

Ao completar um ano vivendo nesse local já podia afirmar que moro num lugar acolhedor, encantador. Na noite de 4 de janeiro 2010 fui surpreendido com um grande número de veículos estacionando em frente à minha casa. Estranhei. Logo compreendi. Um grupo com mais de uma dezena de pessoas desceu com instrumentos até à casa de meus vizinhos. Assisti, pela primeira vez, da minha varanda, um Terno de Reis que aplaudi com entusiasmo. Quando eles foram embora presentearam-me cantando em frente ao meu portão. Recebi o presente daqueles estranhos como um dos melhores da minha vida. Era o Grupo Alegria. Fotografei-os. Num descuido, perdi todas as fotos. Lamento. Lamento...


Na noite seguinte, amigos que moram em Washington, entre eles um poeta (João Luiz), ocuparam a mesma varanda. São momentos como esse que quebram o silêncio estimulante à meditações, reflexões...
Este é o meu. Quem não deseja ter seu porto seguro?

segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

Prazer com álcool

Uísque perde espaço para destilado brasileiro

Antes do meu texto e fotos uma ótima do Face:




Tenho um casal de amigos no município gaúcho de Dois Irmãos. Na visita que fiz a pouco mais de um mês eles me levaram ao alambique da família Weber, em Ivoti. Fiquei maravilhado com o que vi e bebi. Cachaças, aguardentes e licores da melhor qualidade. Era domingo de manhã e um dos membros da família estava de plantão para receber turistas.



Tudo no local é primoroso. A organização, higiene e estética convidam ao deleite visual. Devidamente qualificado para receber os visitantes, o passeio pelas instalações do alambique é inesquecível.



O sucesso deste empreendimento na forma como se apresenta hoje tem a participação decisiva do Sebrae que realizou, nos últimos anos, um trabalho voltado ao profissionalismo e qualificação para evitar o êxodo rural e gerar mais riqueza no campo. Não há como evitar uma dose de orgulho (quase ufanista para alguns críticos mais exagerados sobre o meu deslumbramento).



Confesso que procurei os melhores ângulos (do meu ponto de vista) para tentar retratar nas imagens que captei o mais próximo possível do real.



O dourado do cobre polido dos equipamentos de destilação, condensação e resfriamento dos destilados os transformam em peças ornamentais. Os olhos começam a provocar desejo na boca.



Em todos os lugares e com ordenação de refinado bom gosto algumas peças compõem elementos da história contada aos visitantes. Narrativa feita com o coração.



Passado e presente projetam um futuro de ainda mais sucesso à Weber Haus. Até pouco tempo, no Brasil, a cachaça era vista como coisa de bêbado. Já no exterior, nossa mais tradicional bebida disputa mercado com os melhores scotchies do mundo.



Segundo nosso anfitrião a vocação da família surgiu quando o bisavô desembarcou no Brasil, em 1826. "Ele trouxe o hábito de destilar batata para fabricar o schnaps — a cachaça dos alemães". Hoje, suas bebidas são envelhecidas em barris de carvalho, cabreúva, bálsamo e amburana.



Neste Natal presenteei pessoas especiais com algumas bebidas da Weber Haus, pois, é lógico, comprei várias após tê-las experimentado. Confesso que o uísque está quase ausente da minha vida. Nossas boas cachaças são destilados de melhor paladar que a maioria deles. Pelo menos para mim.

Saúde.