sexta-feira, 30 de novembro de 2012

"Oi", vou botar mais fundo...

Na postagem anterior, feita poucas horas atrás, exemplifiquei ocorrência com nossa empresa que demonstra como somos consumidores desprotegidos pelo governo e vítimas das operadoras de telefonia. Finalizei informando que escreveria sobre os problemas que estamos enfrentando desde o início desse ano de 2012, agora com a "Oi".

"Oi"
Em janeiro, o consultor representante da PDV Automação, Jonas, de Joinville, foi quem atendeu nossa empresa. Expliquei a ele os motivos para nosso desejo de mudança de operadora, que não havíamos renovado contrato com a "Claro", mas pedi que ele confirmasse se havia algum impedimento ou possibilidade de multa se mudássemos para a "Oi", operadora que ele representava. 
Depois de uma longa conversa, o Jonas levou cópias de faturas da operadora concorrente dele e retornou, na semana seguinte com uma proposta e contrato, garantindo que não havia qualquer impedimento ou possibilidade de multa.
A proposta apresentada pelo Jonas era excelente, pois ampliava os serviços e ainda reduzia os custos em torno de 30%.
De tão atrativa, decidimos migrar todas as nossas linhas de telefonia fixa e internet também para a "Oi". Era um pacotaço ainda mais compensador, que incluía, principalmente, o serviço de siga-me nos telefones fixos, pois a operadora que o Jonas representava, segundo ele, oferecia esse serviço.
Alguns dias depois e todo o nosso sistema de comunicação estava na "Oi". Mas, antes mesmo da chegada da primeira fatura e de recebermos a nossa via do contrato que havíamos assinado com o Jonas, começaram os problemas.

Muita mentira
O representante da PDV Automação informou que traria a segunda via do contrato, pessoalmente. E que também iria conferir se tudo que contratamos era o que haveria sido instalado pela "Oi". Nunca mais vimos o Jonas. Até hoje não recebemos nossa via do contrato! O Jonas mentiu para nós!
Para nossa surpresa, descobrimos com a "Oi", depois de tudo transferido, que ela não oferece o serviço de "siga-me". O Jonas mentiu para nós!

Minha sócia, que mora no bairro Vila Nova, ficou, desde a mudança para a "Oi", sem celular. Isso porque onde ela mora não há sinal da operadora. O Jonas mentiu para nós!
Em fevereiro, recebemos a última fatura da "Claro", a nossa antiga operadora de telefonia móvel. Outra surpresa. Multa de R$ 2.250,00 por "quebra de contrato", segundo eles. O Jonas mentiu para nós!
Nove meses depois, chega-nos uma correspondência da "Oi", assinada por seu Diretor de Marketing Empresarial, Rogério Bley, informando que a operadora identificou um "erro operacional" e que os preços seriam aumentados e cobrada a diferença em nove parcelas. A redução de preços entre a antiga operadora "Claro" e a nova operadora "Oi", deixou de existir nove meses depois. Hoje, com a "Oi", está mais caro do que quando operávamos com a "Claro". O Jonas mentiu para nós!
Apesar das dezenas de e-mails que enviamos para o Jonas e para a sua patroa Gisele Soares, que num dos últimos contatos por telefone com ela descobrimos tratar-se da esposa do Jonas, ela nos informou que ele não trabalha mais na empresa.
Soubemos, há poucas semanas, que a empresa de Gisele Soares, no bairro Glória, em Joinville, é representante de empresa de Blumenau. Como a Gisele Soares também mantém o mesmo relacionamento, com nossa empresa, que teve o Jonas, nos obrigamos a contatar com Blumenau.

telefonia.sc.com.br de Blumenau
Enviamos cópias de todos os e-mails trocados através do endereço giselesoares@telefonia.sc.com.br.
Dois dias depois alguém se dizendo ser "Pedro" faz contato por telefone, comigo, e explico, de viva voz, tudo que está descrito nos e-mails. Ele diz que entendeu nosso caso e que iria resolver e retornar ligação. Sumiu também. Reenviamos e-mail. Sem respostas.
Então, fiz a primeira postagem sobre esse fato que mais parece roteiro de filme policial com enredo de quadrilha e enviei novo e-mail para a Gisele e para o Sr. Pedro Braga, no 
relacionamento@telefoniasc.com.br. com esse link.
Aproximadamente uma hora depois recebo a ligação do "Pedro" pedindo desculpas pois acreditava que tudo já estaria resolvido!!!!
Fingi que acreditei e ele me pediu uma cópia do documento enviado pela "Claro". Enviei e ele retornou ligação afirmando que iria "tentar resolver" e que no início da tarde me enviaria e-mail com desdobramento do assunto. Como já estamos no meio da tarde e não recebi esse e-mail, fiz essa segunda postagem.
Em breve continuo essa história de mentiras, enganações, descaso, dezenas de protocolos e um calhamaço de documentos.

"Claro" que botariam no meu, inclusive a engANATEL

Por alguns poucos anos contratei os serviços de telefonia móvel da Claro para nossa empresa. Entre o vendido e o oferecido, rapidamente aumentou a distância ampliando o nosso descontentamento. Quando, no fim do ano de 2010, uma agente me ligou oferecendo renovação do plano tivemos esse diálogo:
- Estamos oferecendo novos aparelhos, ao preço de apenas um real cada um e, no fim do ano, um bônus de desconto para a sua renovação.
- Não temos interesse em renovar. Não queremos novos aparelhos. Vamos mudar de operadora (elenquei nossas razões de descontentamento) no início do próximo ano.
- Então vamos manter o mesmo plano, se vocês decidirem continuar conosco, no fim do ano terão o bônus de desconto, pelo menos.
- Obrigado. Mas devemos mudar de operadora no início de 2011.

O calvário
Em janeiro de 2011 fizemos contato com outra operadora e um solícito consultor nos atendeu com uma proposta irrecusável com serviços ampliados e preços menores reduzindo custos em aproximadamente 30%.
Explicamos para ele a conversa que tive com a agente da Claro e pedi que, antes de fazer a mudança de operadora, ele confirmasse se haveria qualquer possibilidade de multa. Confirmado por ele que não havia qualquer impedimento ou possibilidade de multa (o que era lógico haja vista ninguém na empresa ter renovado o contrato com a Claro) mudamos de operadora no mês seguinte.
Começou nosso caminho ao calvário...
Fiquei aguardando a fatura da Claro para quitar o último mês de uso e, para nossa supresa, na mesma fatura, uma valorosa multa de R$ 2.250,00.
Imediatamente entramos em contato com a operadora e a informação dada pela atendente é que nosso contrato havia sido renovado no fim do ano e rompido unilateralmente, portanto a multa estava prevista no contrato e, ponto final.
Já vai completar um ano que estamos numa luta para evitar esse "roubo".

engANATEL
Procuramos a ANATEL. Foi inacreditável o retorno que nos deram. Eu mesmo atendi esse retorno em que a atendente da agência me comunicou:
- Senhor, temos registrado aqui, pela operadora Claro, que o senhor renovou o contrato e logo em seguida mudou de operadora. Portanto o senhor deve pagar a multa, sim.
- Eu nunca renovei o contrato. Eu sei que quebra de contrato gera multa. Você acha que em sã consciência eu quebraria o contrato para gerar uma multa dessas?
- Senhor, é o que tenho a lhe dizer. O senhor rompeu o contrato e deve pagar a multa...
- Peguem a gravação da atendente da Claro quando ela ligou para mim no fim do ano passado e vocês verão que eu não renovei o contrato.
- Senhor, a gravação fica disponível por apenas três meses...
- Isso quer dizer que se depender da ANATEL eu tenho que pagar essa multa injusta, esse roubo, para a Claro.
- O senhor rompeu o contrato que prevê a multa.
- Mas eu não renovei nenhum contrato...
- Não é o que temos registrado aqui senhor...
- A ANATEL não deveria proteger o consumidor ao invés de defender as poderosas operadoras de suas ações criminosas como essa?
- Senhor, a ANATEL está fazendo o que lhe compete...
- Sei, a engANATEL está fazendo o que lhe compete...
E desliguei, vencido, derrotado.

Serasa
No mês seguinte, uma correspondência da Serasa Experian nos informava que nossa empresa já estava lá. Pela primeira vez, em 25 anos com nossa empresa, estamos cadastrados no Serasa Experian, acumulando prejuízos desde então.
Óbvio que tenho todos os números de protocolos com a Claro e a engANATEL. Vamos tentar mais uma vez contato com a agência. Se o resultado for o mesmo, então teremos que buscar outros caminhos que possam nos proteger desse "roubo" avalizado pelo governo...

"Oi", aqui não é muito diferente...
Se pensam que agora, com a nova operadora, estamos felizes, acreditem, fomos vítimas de um representante igualmente "criminoso". Mas, isso é tema para outra postagem...

E você. Já foi surrupiado por alguma operadora?

quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Joelmir ajudou-me a optar pelo jornalismo

Foi casual, na Alemanha, em 1996. O encontro que tive com o jornalista Joelmir Beting, que faleceu nessa madrugada de 29 de novembro de 2012. 
Joelmir Beting e eu na Feira de Hannover, Alemanha, em abril de 1996

Ele iniciou atuação profissional no jornalismo dois anos antes de eu nascer. Desde criança os telejornais têm sido minha maior atração televisiva. Por muitos anos da minha vida, Joelmir Beting foi meu companheiro virtual diário. Meu mais confiável informante e tradutor do "economês", como costumava dizer.
Quando nos encontramos, na Alemanha, reagi como fã e tive simpática e inesquecível acolhida. Disse a ele que há cinco anos eu estava enveredando para o empreendedorismo jornalístico com o JOV (Jornal O Vizinho).
Expliquei tratar-se de um jornal de bolso com distribuição gratuita de porta-em-porta em Joinville, SC. Ele conhecia a cidade, mas nunca ouvira falar do JOV. Mas eu disse que ele ainda ouviria. Rimos.
No rápido contato - a conversa durou pouco mais de dez minutos -, na despedida, ficou registrado um conselho que pratiquei poucos anos depois. "O jornalismo é apaixonante. Já pensastes em fazer uma faculdade?". Dali em diante comecei a pensar.

Treze dias antes do lançamento do meu primeiro livro "O GIGANTE acuado" e já com 75 anos, Beting, de noticiador, é o noticiado, pela sua morte. Entristeci-me.
Ele tinha razão. A profissão é apaixonante.

terça-feira, 27 de novembro de 2012

Convite para o lançamento do livro "O GIGANTE acuado"




Sobre esse tema, seguem links de outras postagens neste blog e de outros sítios na internet:

R$ 50 milhões de indenização
Uma arma à cabeça, um tiro. Jornalismo é profissão de risco
Loteamento com aterro de rejeitos é denunciado pela Defensoria Social
Minha casa, o fim da minha vida
"Deus" tremendo filho da puta
Acontecimentos inesperados, consequências de incalculáveis repercussões
Publicações feitas em outros veículos de comunicação sobre o tema:

Jornal O Vizinho (JOV)
Edição 748 do JOV (Jornal O Vizinho) - Edição comemorativa de aniversário de Joinville com destaque de capa para o tema (reuso de areias de fundições) com entrevista exclusiva do representante da CNBB (Confederação Nacional dos Bispos do Brasil) nas páginas 6 e 7.
Edição 750 do JOV - Destaque de capa para entrevista com o Bispo Diocesano de Joinville, Dom Irineu Roque Scherer e editorial sobre a denúncia da Defensoria Social.
Edição 751 do JOV - Destaque de capa para o embate sobre o tema com publicação na íntegra, de nota da Tupy Fundições S.A. (direito de resposta) e alerta da Defensoria Social sobre o que qualifica de ações intimidatórias da empresa contra o jornal, nas páginas 4 e 5.
Edição 752 do JOV - Destaque de capa alerta que a Calçada do 62 BI pode ser apenas a ponta do iceberg com reportagem da cobertura jornalística de audiência pública na CVJ (Câmara de Vereadores de Joinville) nas páginas 6 e 7 e comentário em editorial.
Edição 753 do JOV - Destaque de capa para as novas denúncias feitas por vereadores contra o reúso de areias de fundições e repercussão do tema noutros veículos nas páginas 6 e 7.
Edição 760 do JOV - Destaques de capa para resposta da Fatma/SC aos questionamentos feitos pelos vereadores sobre o reúso das areias de fundições
Edição 761 do JOV - e edição 046 do JOI - Destaques de capa para resposta do prefeito de Joinville às perguntas dos vereadores sobre os casos de suspeita de câncer e suas relações com as areias de fundição
Edição 762 do JOV - Destaque na coluna de meio ambiente na página 4, alerta da Defensoria Social sobre a "Decisão Duvidosa" da prefeitura de Joinville em oficializar o reuso das areias de fundições.
Edição 771 do JOV - Destaque na contra capa com a matéria "Parceiro da Paz e da Sustentabilidade"
Edição 772 do JOV - Destaque na contra capa anuncia que o editor do JOV fora eleito com "Prêmio da ONU"
Edição 783 do JOV - Destaque de capa denuncia movimento das indústrias para o reúso das areias de fundição como "fertilizante"
Edição 784 do JOV - Destaque na contra capa que Joinville lidera iniciativa de uso de rejeito industrial na produção de alimentos
Edição 785 do JOV - Destaque de capa: Rejeitos de fundição podem virar "fertilizante"
Edição 786 do JOV - Reportagem de capa destaca que homenagem a joinvilense seria feita na Rio+20 teria sido boicotada pelo governo Dilma
Edição 787 do JOV - Destaque de capa denuncia uso areias de fundição em obra do Programa do Governo Federal "Minha Casa, Minha Vida"

Jornal O Joinvilense (JOI)
Edição 045 do JOI 
- Destaque de capa para a resposta da Fatma que faz crescer suspeita contra fundiçãoEdição 040 do JOI - (Jornal O Joinvilense) - Destaque de capa para os riscos do reúso de areias de fundições contaminadas com o cancerígeno fenol e complemento de reportagem na página 3
Edição 046 do JOI - Destaque de capa para resposta do prefeito de Joinville às perguntas dos vereadores sobre os casos de suspeita de câncer e suas relações com as areias de fundição.
Edição 050 do JOI - Destaque na contra-capa reporta Prêmio da ONU ao editor do jornal
Edição 056 do JOI - Reportagem de capa destaca que iniciativa joinvilense mobiliza resistência nacional contra uso de rejeitos industriais na agricultura
Edição 057 do JOI - Reportagem de capa revela que Defensoria Social reage a ação do Palácio do Planalto

Jornal O Garuvense (JOG)
Edição 032 do JOG (Jornal O Garuvense) - Nota na página 8 sobre a repercussão nacional feita no JOV
Postagem neste blog sobre a reação da empresa contra esse jornalista e o JOV
Edição 33 do JOG - Destaque na coluna de meio ambiente na página 8 sobre o evento na Câmara de Vereadores de Joinville.
Edição 37 do JOG - Destaque na coluna de meio ambiente na página 8 sobre a denúncia nacional contra a Tupy Fundições S.A. no Anuário Brasil Sustentável.
Edição 042 do JOG - Destaque na coluna de meio ambiente na página 8, alerta da Defensoria Social sobre a "Decisão Duvidosa" da prefeitura de Joinville em oficializar o reúso das areias de fundições
Edição 047 do JOG - Destaque de capa sobre o Prêmio da ONU
Edição 060 do JOG - Destaca na capa que rejeitos de fundições podem virar "fertilizante"
Edição 062 do JOG - Destaca na capa que o Palácio do Planalto teria boicotado homenagem a joinvilense na Rio+20

Jornal O Araquariense (JOA) )
Edição 001 do JOA - Destaque de capa sobre o Prêmio da ONU
Edição 015 do JOA - Destaca que Joinville lidera iniciativa de uso de resíduo industrial na agricultura
Edição 017 do JOA - Anuncia a criação do TSI (Tribunal Social Internacional

quinta-feira, 1 de novembro de 2012

A arte que sensibiliza, diverte e transforma

O cara é muito bom!
Já este é um maluco que deve saber tudo de matemática, física, meteorologia...

Acho bacana esse vídeo pela força da sua mensagem.
video
Da mesma forma, essa é outra bela peça, criativa.

Esse... foge um pouco do "politicamente correto", mas nem por isso deixa de ser criativo, divertido.

Essa relíquia, que tem como apresentador Frank Sinatra...

...pode ter influenciado essa outra obra que considero genial.

A arte na publicidade a torna mais comunicativa e induz a novos comportamentos, de consumo, quase sempre. Mas, a arte por si só é que nos dá, à alma, alimento impagável.
Nessa outra postagem, uma obra das mais fantásticas, de Michael Jackson, em favor da natureza: clique aqui para acessá-la e ao vídeo clip.

Outras postagens, neste blog, com apelo artístico:
Como explicar isso?
O domador de palavras