quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Retrocesso na Fundema

O editorial da edição 746 do JOV (Jornal O Vizinho) faz um alerta:

"Em recente sessão da CVJ (Câmara de Vereadores de Joinville) o presidente, vereador Odir Nunes, declarou que “a cabeça do presidente da Fundema pode rolar” por que a entidade pública municipal de fiscalização ambiental tem sido atuante sob o comando do Engo Marcos Schoene.
A declaração do vereador só confirma os rumores que há meses vêm provocando preocupações entre ambientalistas e a população, pois sob a gestão de Schoene a Fundema tem fiscalizado, autuado e multado empresas que há anos cometem crimes ambientais e nunca foram incomodadas.
No dia nove de fevereiro o IVC (Instituto Viva o Cachoeira) divulgou um “Manifesto Público de apoio à Fundema e à permanência do Engo Marcos Schoene na presidência do órgão público de fiscalização ambiental de Joinville”.
O JOV (Jornal O Vizinho) que tem sido parceiro nas ações do IVC e nos últimos anos priorizado editorialmente as questões ambientais de Joinville, faz coro à conclusão final do documento do IVC: “Entendemos, e por isso destacamos em negrito, que a saída do Engo Marcos Schoene da presidência da Fundema pode significar um retrocesso de efeitos ainda mais danosos e devastadores ao meio ambiente e que sua permanência e fortalecimento das ações da Fundema consistem em decisões politicamente corretas que são reconhecidas pela população e deverão ser ainda mais pelas gerações futuras”.
Esperamos que haja, por parte do prefeito Carlito Merss, comprometimento na manutenção de uma política que beneficia praticamente toda a população joinvilense."

Na minha coluna (Ambientais) destaco um projeto de lei de vereador de Joinville que obriga condomínios a separar o lixo reciclável e liberação de quase meio milhão de reais para a instalação de bicicletários junto aos terminais de integração do transporte coletivo.
Se o editorial comenta um fato preocupante, as duas outras matérias são um alento.

Já a edição 27 do JOG (Jornal O Garuvense) o destaque é a reportagem de capa comentada também no próprio editorial:
"Mais uma capa para a polêmica
Na edição número três do JOG, em dezembro de 2009, a ilustração de capa, que tinha as fotos de dois advogados num placar de 1 X 0, provocou muita polêmica na cidade. Esta edição não deverá ser diferente. O placar agora apresentado, de 2 X 0, dá continuidade àquela reportagem por conta do movimento no judiciário da ação popular movida contra a CVG (Câmara de Vereadores de Garuva).
Desde aquela primeira reportagem que muitos leitores reclamam que o JOG não aborda mais o assunto considerado um dos fatos mais relevantes da história política do município. Cumpre-nos registrar que nossa reportagem vem acompanhando todos os movimentos jurídicos do processo e, sempre que algum fato novo e de relevante interesse público surge, o tema tem voltado à pauta. Como aconteceu com a edição número quatro (janeiro de 2010) com duas páginas de reportagem e denúncia de empreiteiro de desrespeito à decisão judicial de embargo da obra de reforma da nova sede do legislativo.
Em fevereiro, o editorial da edição número cinco do JOG fez alerta à população das represálias que o jornal começou a sofrer por abordar o assunto. Ainda no mesmo mês, na edição seis, mais duas páginas de reportagem apontavam a suspeita de superfaturamento na compra da nova sede da CVG. Em março, com a edição número sete, nosso colunista Brian de Catuha comenta a decisão de desembargador de manter o embargo da reforma da nova sede da CVG avisando que “há fortes suspeitas de ilegalidade no ato de dispensa de licitação” para a compra daquele imóvel.
Nessa edição o assunto é o destaque de capa com o posicionamento surpreendente do prefeito que se coloca ao lado da ação popular e contra os envolvidos no suposto esquema de desvio de dinheiro público. Mais uma vez temos que lembrar aos cidadãos que o poder judiciário se obriga a ritos de legislação que imprimem uma velocidade menor que a desejada. Apesar disso, pode-se dizer que este processo não está “dormindo” nas gavetas daquele poder e tem o acompanhamento pessoal do próprio diretor do Fórum de Garuva.".
A partir de agora vou centralizar no meu blog (enquanto continuar sendo o editor executivo destes veículos) comentários e complementos das edições dos respectivos jornais.

Um comentário:

  1. falam tanto em meio ambiente mas o que se faz na realidade antes das castastrofes acontecer , vejao o rio são joão como era e como esta ficando quando ista vai parar em garuva os governantes tao ganhando muito das mineradoras para fazer de conta que ta tudo normal.

    visitem garuva acima proximo ao pedagio e tirem suas proprias conclusões

    ResponderExcluir